Reflexão do Evangelho – Domingo, 29 de outubro




Mt 22,34-40 - O maior mandamento


“Grande e magnífico Deus, meu Senhor Jesus Cristo”, proclamava S. Francisco de Assis, com sua imperturbável serenidade, agradecendo ao Senhor que entrou na história, veio ao nosso encontro, assumiu nossa realidade humana, e por isso agora, ele podia unir-se a Jesus e tornar-se participante da vida divina.
Alegria, caridade, tolerância, bondade, algo espantoso aconteceu com a vinda de Jesus, pois, como escreve S. Atanásio: “Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus”. A humanidade de Jesus não só era semelhante à nossa, mas ela é a mesma que está em nós, de tal modo que graças a Ele, o “novo Adão”, somos capazes de alcançar nossa realização plena e perfeita.
Unindo de modo indivisível os dois mandamentos: “Amarás a Deus e ao próximo”, Jesus indica, numa forma de vida verdadeiramente “humana”, o amor ao próximo como caminho para Deus, em quem encontramos a salvação. Inscrito em nosso coração, ele é mais do que um mandamento; é experiência de amor, que supera nossas divisões, e leva o escriba a exclamar: “Isso vale mais do que todos os holocaustos e sacrifícios”.
Como se evidencia, o amor cristão não se reduz a um mero sentimento; ele provém de nossa união a Cristo, que não anula a natureza humana, mas a restaura e a transfigura. “Criados à imagem e semelhança de Cristo”, no dizer de S. Irineu, não podemos ter Cristo só para nós: a Ele pertencemos e em nossa vida pulsa uma energia pessoal, que nos conduz não apenas a uma unidade interna, mas também a um autêntico relacionamento com Deus e com os nossos semelhantes.
O duplo mandamento do amor fala não apenas de um sentimento, que é passageiro, mas de um amor que abrange a totalidade do ser humano, em todas as suas potencialidades. Ele não nos é imposto como realidade estranha ao nosso ser; ele nasce da experiência de que “Deus é mais íntimo a mim, do que eu a mim mesmo”, nas palavras de S. Agostinho. Eis o sentido alto de uma vida interiormente livre para amar e servir a seus semelhantes, na magna e profunda alegria de já estar habitando na Terra Prometida.




†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro