Postagens

Mostrando postagens de 2013

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira - 01 de Janeiro

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira - 01 de Janeiro Lc 2, 16-21: Santa Mãe de Deus, Maria          Em Belém, pátria de Davi, pastor e depois rei, nasceu Jesus, o bom Pastor, o rei Messias. Existem ainda outros diversos paralelismos que dão um sabor todo especial a esse relato. Assim, ao se referir aos pastores “que durante as vigílias da noite montavam guarda”, realça-se a antítese entre a noite e a luz que brilha nas trevas, característica do Natal. O fato de eles passarem a noite velando pelo rebanho faz lembrar a recomendação dada, mais tarde, por Jesus aos seus discípulos, para que permanecessem na atitude espiritual de quem vigia, na expectativa do seu retorno.          A aparição dos anjos tranquiliza os pastores. Dizem eles: “Não temais, eis que vos anuncio uma boa-nova”. Os anjos permitem-lhes entrever a glória de Deus, revelada pela Encarnação do Seu Filho unigênito. Ao canto dos anjos, a glória do Senhor os envolve e o resplendor divino os ilumina. Como a primeira Aliança co…

Reflexão do Evangelho de Terça-feira - 31 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Terça-feira - 31 de Dezembro Jo 1, 1-18: Prólogo de S. João – A Palavra se fez carne          O Evangelho de S. João inicia-se com um hino a Jesus, preexistente à criação, da qual ele participa com o Pai eterno: “No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. No princípio, ele estava com Deus. Tudo foi feito por meio dele e sem ele nada foi feito de tudo (panta) o que existe”. Em grego, “panta”, sem artigo, significa todas as coisas e cada uma delas. Portanto, Ele é a Palavra encarnada, fonte de graça e de verdade, pelo qual tudo foi criado e, na medida em que Ele se dá a si mesmo, Ele oferece a vida. “E a vida era a luz dos homens e a luz brilha nas trevas, mas as trevas não a apreenderam” (katélaben) ou, segundo uma tradução comum aos Santos Padres, “mas as trevas não puderam dominá-la”. Dessa maneira, eles procuram salientar melhor a ideia de julgamento, um dos temas principais do Evangelho de S. João, que descreve a luta entre a luz e…

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 30 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 30 de Dezembro Lc  2, 36-40 – Apresentação de Jesus - Profecia de Ana          As palavras iniciais, “concluídos os dias da sua purificação”, são uma proposição circunstancial, utilizada pelo Evangelista para mostrar a conformidade legal da Sagrada Família e, ao mesmo tempo, para anunciar Aquele que “veio para cumprir a Lei e os profetas”. Tal cumprimento não se limita à observância material da Lei, mas se estende à futura vida pública de Jesus, na qual ele realizará a Lei em seu verdadeiro sentido, “segundo o Espírito”, que inspirou Moisés. A frase seguinte é também significativa: “Levaram-no a Jerusalém para apresentar ao Senhor”. Duas pessoas se encontram com a Sagrada Família: Simeão, a quem fora revelado que não veria a morte antes de ver o Messias, e Ana que representa as profetizas do Antigo Testamento: Miriam e o cântico guerreiro da passagem do Mar (Ex 15), Débora e seu hino de vitória (Ju 4-5), Hulda e sua implacável profecia da queda d…

Reflexão do Evangelho de Domingo – 29 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Domingo – 29 de Dezembro Mt 2, 13-15. 19-23 – Jesus, o Nazareu (Sagrada Família)
         Após a fuga para o Egito e a morte dos santos inocentes, advertido em sonho, José segue as indicações divinas e se dirige à cidade de Nazaré na Galileia. O evangelista S. Lucas a ela se refere por ocasião da Anunciação e, com naturalidade, após a Apresentação no Templo, ao relatar o retorno de Maria e José a uma cidade da Galileia. Região citada pelo profeta Isaías, da qual resplandeceria uma grande luz, que o Evangelho descreve presente no início da pregação de Jesus.          S. Jerônimo reporta-se ao “lugar onde a terra fez florescer o Salvador, donde se elevou o germe justo e a flor do tronco de Jessé. Lugar chamado Nazaré que em hebraico significa: Santidade, Germe, Flor, Ramo”. No entanto, aquele que lá cresceu não só é conhecido como Nazareno, pelo seu nascimento, mas também como Nazareu, denominação ligada ao termo “Nazir”, que indica os que fazem votos de “nazirena…

Reflexão do Evangelho de Sábado - 28 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sábado - 28 de Dezembro
Mt 2, 13–18: Os Santos Inocentes (Fuga para o Egito)

“Maria tomou em seus braços o Menino Jesus” e com S. José, imediatamente, partiram rumo ao Egito, lugar adequado e, ao mesmo tempo, tradicional como refúgio dos oprimidos. Ao relatar que tal fato se deu à noite, o evangelista quer justamente mostrar a pronta obediência da Sagrada Família. Observa Dionísio de Alexandria: “Ela levava Aquele que tem em suas mãos o universo, como tinha profetizado Isaías ao dizer: ‘Eis: o Senhor que, conduzido sobre uma nuvem ligeira, entra no Egito’”. A nuvem, segundo Dionísio, designa a Virgem santa, “que levou e gerou o orvalho do céu, enchendo de alegria o mundo inteiro que morria de sede”.
A ida de Jesus ao Egito, logo no início de sua vida, reporta o relato do seu nascimento ao ponto de partida da História da Salvação. Pois “indo ao Egito, observa S. Leão Magno, Cristo retornava ao antigo berço do povo hebreu. Ele é o pão da vida que desceu do céu, o …

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 27 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 27 de Dezembro
Jo 20, 2-8 – Ressurreição do Senhor
(Comemora-se S. João)

No primeiro dia da semana, bem cedo, o sol ainda não tinha despontado e Maria Madalena já se dirige ao túmulo de Jesus. A pedra, que estava diante dele, fechando-o, estava removida. Admirada, talvez assustada, ela corre até Simão Pedro e ao outro discípulo, que céleres se dirigem ao túmulo. João vai mais rápido, por causa de sua juventude, também, comentam alguns S. Padres, “pelo seu zelo de amor”. Fariam a verificação, assim dita oficial, do túmulo vazio. Tendo chegado primeiro, o Apóstolo João espera por Pedro, sinal sem dúvida de notável deferência, primeiro sinal de reconhecimento do primado do Apóstolo Pedro.
Pedro entra, também “o outro discípulo, aquele que tinha chegado primeiro ao túmulo”, e ele “vê e crê”. Ao Apóstolo Pedro cabe a precedência, a João, o discípulo amado, a fé. É o despontar da fé na ressurreição do Senhor. Ao contrário de Lázaro, a ressurreição não é u…

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 26 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 26 de Dezembro
Mt 10, 17-22: Os missionários serão perseguidos

Ao anunciar a perseguição a ser movida contra os discípulos pelo ódio de “todos por causa do seu nome”, ressoava ainda o alerta de Jesus, medrando receio e temor no coração dos Apóstolos: “Eis que vos envio como ovelhas entre lobos”. Porém, para animá-los e consolá-los, Jesus acrescenta a promessa da Salvação: “Sereis odiados por todos por causa do meu nome. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo”. Ou ainda: “Pela vossa constância alcançareis a vossa salvação”. Ele assegura-lhes a Providência divina e lhes dá a certeza de que, em meio às provações, graças à constância, a boa semente não deixará de dar frutos.
No entanto, uma exigência lhes é apresentada: dar testemunho do Evangelho, mesmo em meio aos sofrimentos e perseguições. Porém, Ele não os abandonará e, com ternura e carinho, lhes diz: “Quando fordes presos, não vos preocupeis nem pela maneira com que haveis de …

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 25 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 25 de Dezembro
Lc 2, 1-14 - Nascimento de Jesus

Natal, vinda do Filho de Deus, que “se torna, escreve S. Beda, partícipe da nossa natureza, tornando-nos participantes da sua graça”. Maravilhado, exclama S. Agostinho: “Desperta, ó homem, por tua causa Deus se fez homem”. A salvação entrou no mundo, pois quem nasceu de Maria é o nosso Salvador, “que assumiu nossa humanidade para nos comunicar as riquezas da vida de Deus” (Orígenes). Alegrem-se os céus, exulte a terra, porque aquele que é do céu está agora na terra.
Tudo que é de Deus nos é comunicado por Jesus. Daí anunciarem os anjos aos pastores: “Alegrai-vos, nasceu-vos o Salvador”. Na luz divina, participamos da alegria dos pastores e somos iluminados pela Criança que nasce em Belém. Natal não é um simples momento comovedor e romântico da família. É a celebração da encarnação do Filho de Deus, nascido do seio puríssimo da Virgem Maria. Comemorá-lo é ir ao presépio de Belém e adorar o Menino Jesu…

Reflexão do Evangelho de Terça-feira - 24 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Terça-feira - 24 de Dezembro
Lc 1, 67-79: Benedictus - Nada é impossível a Deus

Será que nos sentimos felizes, alegres e cheios de esperança com o anúncio do Evangelho? A vinda do Senhor Jesus, fonte de júbilo interior, é a realização das promessas de Deus. O Espírito Santo, referido por Jesus ao longo de sua missão pública, conduz as criaturas à fonte de vida, à liberdade do Mistério, na rica diversidade de suas manifestações. O Mistério não é o estranho longínquo, o abstrato e o enigmático.Ele é o “habitat”, a realidade mais íntima de cada um de nós. Tal sentido foi conservado na língua alemã. Geheimnis, mistério, refere-se a um conjunto ou a uma presença intensa (ge) daquele que é acolhido em sua morada (heim) interior. Assim, no âmago da existência, reconhecemos nossa origem em Deus, manancial inesgotável de sentido e de esperança. É a mística experiência do Inefável, que nos envolve. As sendas percorridas por nós, ao longo da vida, não nos são dadas a conhe…

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 23 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 23 de Dezembro
Lc 1, 57-66 - Natividade de S. João Batista

Último dos profetas do Antigo Testamento, João Batista tem por missão preparar a vinda de Jesus, nosso Salvador. Em seu próprio nascimento, no dizer de S. Efrem, ele já anuncia a vinda do Messias, “graças ao paralelo traçado pelo Evangelista S. Lucas entre João e Jesus”. Com vivo realismo, descreve-se a circuncisão de João, cerimônia de sua entrada na comunidade de Israel, marcada pela imposição do nome. Segundo a prática judaica, foi uma ocasião de regozijo e de festas, um grande acontecimento. Estavam reunidos, ao redor de Isabel e de Zacarias, os parentes e vizinhos, que comentavam o fato de terem ouvido dizer que algo extraordinário tinha sucedido: “Deus cumulara Isabel com a sua misericórdia”. E com ela se alegravam.
Era de praxe que o nome da criança refletisse a história da família. Por isso, grande foi o espanto de todos, quando Isabel disse que ele se chamaria João, nome estranho…

Reflexão do Evangelho de Domingo – 22 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Domingo – 22 de Dezembro
Mt 1, 18-24: Esposo de Maria e Pai adotivo de Jesus

Na plenitude dos tempos, o Filho de Deus se encarnou no seio puríssimo da Virgem Maria. O Antigo Testamento orienta-se para Jesus, as esperanças e promessas de Israel nele se cumprem. Nesse sentido, S. Mateus desenvolve a história da infância de Jesus e os inícios de seu ministério. Destaca que Jesus é filho de Davi e de Abraão, o que permite ser o evangelho de Mateus profundamente judeu em suas concepções e, ao mesmo tempo, ser uma rigorosa interpretação missionária e universalista do cristianismo. Nesse sentido, a árvore genealógica, descrita por ele, conduz a José, da família de Davi, sem deixar de realçar que o reino de Jesus vai muito além das promessas feitas a Davi: é o reino do próprio Deus. Ademais, ao fundar o novo povo de Deus, erigido sobre os Apóstolos, Ele concretiza as promessas feitas aos patriarcas.
O Papa Bento XVI assinala que “se Deus está presente entre nós, são de e…

Reflexão do Evangelho de Sábado – 21 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sábado – 21 de Dezembro
Lc 1,39-45 - Visitação de Nossa Senhora

A saudação do anjo a Maria, “alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo”, designa-a como cumulada da graça e do favor divino (kecharitoméne), e de modo permanente (cháris), uma vez que a graça divina habita em sua vida, desde sempre. Se o pecado significa fechar-se a Deus e aos irmãos, a graça divina outorga ao ser humano uma qualidade sobrenatural, demonstrada por Maria, cujo coração é voltado para o Senhor em total sintonia com a sua vontade. Ao Anjo, ela responde: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua vontade”, pois nela não há qualquer sinal, por menor que seja de egoísmo ou de fechamento aos desígnios do Pai. E por estar entregue a Deus, ela é toda disponível aos seus semelhantes. Por isso, destaca-se a presteza com que ela se encaminha à casa de Isabel, indo imediatamente ao seu encontro para servi-la. A confirmação do apelo de Deus, ela experimenta no interior de uma vida…

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 20 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 20 de Dezembro
Lc 1, 26-38: Anunciação do Senhor

O arcanjo Gabriel anuncia a Maria que o Espírito Santo descerá sobre ela e a cobrirá com a sua sombra, assim como a nuvem, presença de Deus, tinha descido sobre o monte Sinai. Por isso, aquele que nascer dela será santo e chamado Filho de Deus. Com a resposta: “Seja feita a tua vontade”, Maria abre, por assim dizer, a humanidade à ação santificante do Espírito divino, que preside ao nascimento de Jesus. Nesse sentido, S. Justino e S. Irineu irão considerar esta passagem à luz do relato do gênesis, traçando um paralelo entre Maria e Eva, “mãe de todos os viventes”, entre o “fiat”, o faça-se da anunciação, e a desobediência dos primeiros pais, causa decisiva do pecado original. De fato, à pergunta de Maria “como é que vai ser isso?”, o anjo a leva à fé e à obediência, ao contrário do anjo mau que incita Eva à desobediência e à incredulidade.
Acentuado pela Tradição antiga, também pelos comentadores con…

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 19 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 19 de Dezembro
Lc 1, 5-25: Anúncio do nascimento de João Batista

Zacarias e sua esposa, já de idade avançada, vivem estéreis, sem filhos. Certa feita, estando no Templo, coube a Zacarias, “conforme o costume sacerdotal, entrar no Santuário do Senhor para oferecer o incenso”, enquanto todo o povo permanecia do lado de fora. Eis que lhe aparece o Anjo do Senhor, dizendo-lhe, de modo preciso, que a sua esperança irá se concretizar: “Não tenhas medo, Zacarias, porque a tua súplica foi ouvida, e Isabel, tua mulher, vai te dar um filho, ao qual porás o nome de João”. Ditas no Templo, durante um ato litúrgico, suas palavras adquirem um valor amplo e profético. Elas correspondem à prece de Zacarias e também à súplica de todo o povo fiel, como conclui o próprio anjo ao dizer: “Terás alegria e regozijo, e muitos se alegrarão com o seu nascimento”, pois ele preparará o caminho e a vinda do Senhor (v.17). Pasmo e com dúvidas, Zacarias pergunta: “De que modo s…

Reflexão do Evangelho de Terça-feira e Quarta-feira – 17 e 18 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Terça-feira e Quarta-feira – 17 e 18 de Dezembro
Mt 1, 1-17. 18-24 - Genealogia de Jesus

O sentido e a importância das genealogias na Bíblia são bem conhecidos. No caso presente, o evangelista resume o Antigo Testamento a uma história que conduz ao Messias, na certeza de que Deus dará cumprimento às promessas feitas e reiteradas através da história. Não se trata de dar conhecimento de um mistério isolado, mas levar à compreensão dinâmica da história da salvação e revelar que Deus, em sua fidelidade e generosidade, cumpre a promessa feita a Abraão e a Davi, promessa de enviar um Salvador e um Rei para governar a casa de Israel e para livrá-la de seus inimigos. A concepção virginal de Maria poderia sugerir que Jesus fosse alheio aos laços familiares e tivesse entrado na história do mundo sem laços físicos com a humanidade. A história de Maria nos precede e se situa nas palavras do Senhor que, através do profeta Isaías, proclama que “uma virgem conceberá e dará à l…

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 16 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 16 de Dezembro
Mt 21, 23-27: Questões sobre a autoridade de Jesus

De cidade em cidade, Jesus passa ensinando e anunciando a Boa-Nova do Reino de Deus. Ele percorre a Galileia trazendo esperança à população simples e carente. Ela o aclamava e o seguia. Em Jerusalém, ele não se cala, nem se intimida diante dos doutores e sacerdotes, que não o veem com bons olhos. Também aí, ele ensina e as multidões aglomeram-se para ouvi-lo. Uma delegação do Sinédrio, supremo conselho do povo judeu, constituído por sacerdotes e escribas, aproxima-se dele para interrogá-lo: “Com que autoridade fazes estas coisas?” Quem lhe teria outorgado o poder de ensinar?
À diferença dos greco-romanos, que consideravam o poder como algo obtido e consolidado pela força, Israel o vê como dom concedido por Deus em vista de uma missão ou do exercício de uma tarefa em benefício do povo. Colocando-os nesse contexto, Jesus remete-os a João Batista e responde, à maneira rabínica de disc…

Reflexão do Evangelho de Domingo – 15 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Domingo – 15 de Dezembro
Mt 11, 2-11: Pergunta de João Batista e testemunho de Jesus

O encarceramento de João Batista marca o fim da ordem antiga. Mas as notícias das atividades de Jesus e de seus discípulos, causaram-lhe certa inquietude, pois eles se mostravam abertos aos pecadores e anunciavam o restabelecimento do reino de Deus. Enviados por ele, seus discípulos foram a Jesus, com suas dúvidas, fraquezas e receios, para perguntar-lhe: “És tu aquele que há de vir ou devemos esperar outro?” Penúltimo ato do Precursor, que na prisão expressa estar passando pela noite da fé. Como eles, “também nós, destaca S. João Crisóstomo, vamos a Jesus com nossas dúvidas e incertezas, com o pouco que somos, para que Ele possa completar-nos com a sua grandeza”.
Pela primeira vez, o evangelista S. Mateus, fala do ministério de Jesus empregando o termo “christós”, obras de Cristo, o Ungido, o Servo de Israel, dando continuidade à revelação de Jesus como o Messias. Antes de rece…

Reflexão do Evangelho de Sábado – 14 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sábado – 14 de Dezembro
Mt 17, 10-13: Questões sobre Elias

Deus oferece sinais e suscita profetas para despertar confiança e paz no coração de seus filhos, preparando-os para a vinda do Messias. Entre os profetas, sobressaem Isaías e Elias. E o novo Elias já veio, diz o Evangelho, na pessoa de S. João Batista, o Precursor imediato do Messias, que, de modo claro e solene, anuncia o batismo de arrependimento e de conversão. Muito a propósito, S. João Crisóstomo refere-se ao fato de “Jesus chamar João Batista de Elias, não porque fosse Elias, mas porque realizava o ministério próprio do profeta, convocando todos à conversão”.
A conversão não se reduz à dimensão espiritual, o que poderia levar a pessoa a um álibi para permanecer acomodada ou fechada em seu egoísmo e presa à interioridade de uma piedade subjetiva e individualista. O resultado seria uma anemia de espírito. Ao invés, a conversão é deixar-se mover pelo vigor da alma e do espírito, na dinâmica de uma vida…

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 13 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira – 13 de Dezembro
Mt 11, 16-19 - Julgamento de Jesus sobre a sua geração

À guisa de crianças que brincam de “casamento” e “enterro” na praça, umas cantando modinhas alegres, outras não acompanhando; umas entoando lamentações, outras não se interessando,os ouvintes de Jesus, como os de João Batista, mostram-se indiferentes às suas palavras. O Mestre suspira com tristeza e pergunta: “A quem, pois, hei de comparar os homens desta geração?” Segundo o modo semítico de falar, o termo geração adquire diversos sentidos, indicando, no caso presente, um apelo à conversão. Pois àquela geração é chegada a hora de Deus, a hora da graça, tempo propício para festejar com alegria a presença do esposo, que proclama a boa nova do Reino.
Ora, não reconhecendo Jesus como o Messias esperado e desejado, os chefes religiosos chamam-no de glutão e de beberrão, amigo dos publicanos e dos pecadores. Interpretam-no erroneamente. De fato, ao aparecer com as vestes próprias de um…

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 12 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 12 de Dezembro
S. Lc 1, 39-47 - Visitação de N. Senhora (N. Senhora de Guadalupe)

A saudação do anjo a Maria, “Ave, cheia de graças”, salienta que a graça divina habita em sua vida, desde sempre. O pecado significa fechar-se a Deus e aos irmãos. Ao invés, o coração de Maria é voltado para o Senhor em total sintonia com a sua vontade: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua vontade”. Nela, não há qualquer sinal, por menor que seja, de egoísmo ou de fechamento aos desígnios do Pai. E por estar entregue a Deus, ela é toda disponível aos seus semelhantes. Por isso, destaca-se a presteza com que se encaminha à casa de Isabel. Imediatamente vai ao seu encontro para servi-la. Comenta S. Ambrósio: “Maria é movida pela alegria de servir, levada pela piedade em cumprir seu dever de parente e pela pressa do júbilo”. Ela é repleta de Deus no serviço a todos.
Na grandeza de sua generosidade, Maria serve sua prima. Doação graciosa e humilde, manifes…

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 11 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 11 de Dezembro
Mt 11, 28-30: Vinde a mim todos os que estais cansados
(Este é o texto litúrgico para o dia de hoje)

“Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo”. Convite dirigido a todos. A expressão “fardo” ou “jugo” era, aliás, muito empregada pelos judeus para exprimir a submissão a Deus. Assim, eles se referem ao fardo da lei, dos mandamentos e ao jugo do reino. No Evangelho, Jesus diz que o seu “jugo é suave”, o que para o leitor grego significa um jugo “bem ajustado”, “adequado”. As exigências que pesavam sobre a conduta religiosa e moral, isto é, as prescrições que provinham da Lei divina, dos oráculos proféticos, também das doutrinas dos mestres e das autoridades religiosas, seriam adequadas aos que buscavam a santidade de vida e se dispunham a seguir Jesus.
“Vinde a mim”, exclama Jesus, mostrando que o seu jugo ou fardo, antes de se traduzir em lei ou prescrições, é uma relação pessoal que se estabelece entre Ele e o…

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 11 de Dezembro

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 11 de Dezembro
Mt 11, 28-30 – Correção fraterna

Nesta passagem, Jesus fala aos seus discípulos sobre a liberdade espiritual necessária para restaurar a boa convivência e a amizade entre as pessoas. E mostra que não se trata simplesmente de um procedimento social ou de uma reconciliação da boca para fora, mas de uma atitude mística, nascida da comunhão com Deus. Aquele que trouxer o amor (ágape) divino, em seu coração, jamais abrirá espaço para algo que possa prejudicar a vida de seu semelhante. Ao contrário, será abençoado por uma harmoniosa relação entre o espírito e a graça, que o conduzirá à união com Deus, fonte de íntimo e verdadeiro respeito para com todos. A paz e a união devem prevalecer sempre. A vigilância dos homens em relação a isso há de ser constante e não menos incessante o desejo da correção fraterna: reorientar para Deus aquele que errou ou praticou o mal.
O modo como Jesus apresenta a correção fraterna aos discípulos – e podemos n…