Reflexão do Evangelho – Domingo, 18 de fevereiro



Reflexão do Evangelho – Domingo, 18 de fevereiro
Mc 1,12-15 - Tentação de Jesus no deserto


O projeto de Deus é complexo, estende-se através da história, desde o povo de Israel até o tempo da Igreja, que tem suas raízes na vida e missão de Jesus. No início de sua missão, guiado pelo Espírito Santo, Jesus é conduzido ao deserto, espaço de recolhimento e de oração, onde permaneceu durante 40 dias. Submeteu-se a essa provação, espontaneamente, por uma opção livre e pessoal.
Humanamente, colocou-se numa situação muito difícil de sobrevivência, sem comer, com o risco de desidratar-se. Alguns diriam: é uma loucura! Exausto, faminto, Jesus orava, meditava, falava com o Pai, num processo de intensa interiorização, que elevava o seu espírito e o conduzia à sublimação de seus desejos e sentimentos. Momento de purificação e despojamento total que assinala sua subida espiritual ao monte de Deus para o misterioso encontro com o Pai.
Sem titubear, no pleno domínio do seu raciocínio, Ele rejeita as ilusões e pretensões de um futuro prazeroso e tranquilo, apresentado pelo Tentador, e lhe diz: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”. Prenúncio das contradições, acusações e ataques que Ele iria sofrer ao longo de sua vida pública. Mas Jesus não se desvia do cumprimento da vontade do Pai e, consequentemente, de sua missão salvadora.  
Daí se infere que a tentação não está ligada diretamente à ideia do pecado, é uma provocação, que visa pôr Jesus à prova. O modelo típico é Abraão, que foi testado em sua confiança em Deus, antes de receber a promessa de “uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu e quanto a areia que está na beira do mar” (Gn 22,17). Aliás, o teor das tentações de Jesus, a primeira, que sugere transformar a pedra em pão, e a terceira, que lhe propõe atirar-se do alto do pináculo para ser acolhido pelos anjos, visa provar quem é Ele. A segunda tentação, que se realiza no alto de uma montanha, donde se descortinam os reinos do mundo, insinua a ideia de um poderio político, em âmbito mundial.
Sem se deixar levar pela força dos impulsos, Jesus se mantém sereno, ultrapassa o presente e se orienta para algo maior e diferente: a absoluta confiança no Pai. Os quarenta dias no deserto lembram Israel no deserto, Moisés no monte Sinai, a Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa, e mais, a vida pública de Jesus, também a nossa, irredutíveis a uma realidade material, limitada. Deus é aquele que, vindo do futuro, oferece o pão atemporal, a Palavra, e abre nosso olhar para irmos ao encontro dele, cheios de esperança. Mais do que a natureza física, há em nós um aspecto pessoal que expressa a unidade interna e a relação com Deus e com nossos semelhantes.    
Vencido, o Tentador se afasta, ao som de uma voz que lhe diz: Ele saciará a fome espiritual de todos aqueles que irão partilhar seu pão com os famintos e pobres do mundo, e, no tempo oportuno, entregando-se ao Pai, ressuscitará no terceiro dia. As vozes do coral invisível, ao fundo, tornam-se sempre mais fortes; entoam as bem-aventuranças, do amor e da misericórdia, do perdão e da salvação para todos os corações humildes e simples. 



†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro