Reflexão do Evangelho – Domingo, 11 de março



Reflexão do Evangelho – Domingo, 11 de março
Jo 3, 14-21 – Jesus, vida e luz

        
Nos ambientes religiosos judaicos, esperava-se um salvador escatológico para Israel e para todas as nações, tradicionalmente chamado “de luz do mundo”. O tema é fascinante, possivelmente, já discutido e debulhado no Conselho dos anciãos. Um de seus membros, Nicodemos, ao tomar conhecimento da pessoa de Jesus, e após ter a certeza pessoal de que Ele era um homem de Deus, resolveu marcar um encontro com Ele à noite, para evitar a crítica de seus colegas mais rígidos.
Ao encontrá-lo, suas primeiras palavras expressam confiança: “Sabemos que vens da parte de Deus como um Mestre, pois ninguém pode fazer os sinais que tu fazes se Deus não estiver com ele” (3,2). Neste sentido, dizia um provérbio rabino: “As palavras do homem que conhece o temor de Deus serão ouvidas” (Berachot, 6b).
É importante recordar que a palavra revolucionária de Jesus não é uma crítica à Lei judaica, mas é o anúncio de uma vida guiada pelo mandamento do amor, compreendido de um modo novo, mais radical. Por isso, Jesus, após identificar-se ao Filho do Homem, que seria levantado, assim como “Moisés levantou a serpente no deserto”, dirige a Nicodemos um breve discurso, melhor, um convite perturbador: afastar-se dos esquemas individualistas para apostar em Deus. Sensibilizado, Nicodemos, homem experimentado na vida, não se sente ainda suficientemente forte para se lançar na aventura proposta por Jesus.
Mas o olhar do Senhor, sereno, tranquilo, o coloca ou recoloca no horizonte de um Deus que jamais abandonou seu Povo e sempre se fez presente nos momentos mais difíceis e tensos de sua história. Interiormente apaziguado, Nicodemos é atraído à fé, que é mais do que as aparências e as obrigações formais da Lei. O Senhor lhe abre o caminho! O único caminho! Não para um retorno ao princípio, mas para se chegar à salvação, realizada por um Salvador definitivo, chamado Messias.
Pois bem! O que lhe parecia incompreensível e impossível de ser realizado é superado pelo amor generoso e gratuito, bem inestimável, projeto de vida pelo qual ele é impelido a orientar sua vida na direção de Deus e de seus semelhantes. O olhar, sempre o olhar de Jesus, nada havia nele que pudesse expressar severidade, simplesmente, permitia-lhe contemplar a face humana de um Deus bondoso, misericordioso, que o acolhia e o convidava a recitar confiante o “Pai-Nosso”.
 Grato e feliz, ciente da grandeza de suas origens e da sublimidade de seu destino, Nicodemos retoma a caminhada espiritual para a Terra Prometida, como participante da “liberdade dos filhos de Deus”.



†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro