Reflexão do Evangelho - Domingo, 08 de setembro


Reflexão do Evangelho
Domingo – 08 de setembro
Lc 14, 25-33, Renúncia: “Conversão do coração”


De noite, para evitar a ironia de seus colegas fariseus, Nicodemos vai ao encontro de Jesus, que lhe diz: “Se alguém não nascer ‘de novo’, ‘do alto’, não poderá ver o Reino de Deus”. É imprescindível estar orientado para o Pai, que não desampara a quem n’Ele confia.
Para que os discípulos estivessem preparados e prontos para a missão de anunciar o Evangelho do amor e da misericórdia, o Mestre lhes faz, de modo incisivo, algumas advertências, fortes e provocadoras. No Evangelho de hoje, não poucos ficam surpresos e até espantados, ao ouvi-l’O dizer: “Se alguém vem a mim, mas não odeia (misei – miséw) seu pai e sua mãe, seus irmãos e suas irmãs e até a própria vida, não poderá ser meu discípulo”.
Ora, o verbo “odiar”, segundo um modo de falar semítico, significa: “Ter em menos conta”. Jesus o utiliza para realçar a necessidade de os discípulos não atribuírem um valor supremo às realidades do mundo, mas manterem-se voltados para Deus, amando-O “de todo o coração”.
Amar a Deus é buscar uma vida feliz... Sentir-se enamorado do bem, da verdade, da luz... É tender para o Alto, sem se deixar prender pelo que impede de voar, correr, viver alegre... É viver intensamente, louvando as maravilhas do Sumo Bem, de quem tudo procede.
Eis o “Instante” de Jesus; eis o grande sinal de uma nova realidade, de um novo tempo! A instituição terrena não é desprezada; a realidade espiritual, anunciada pelos profetas, é buscada e cultivada. O Evangelho torna-se, para Seus seguidores, renascidos do Alto, a mensagem norteadora e essencial da vida. Então, gratos e humildes, eles amarão, com verdadeira alegria e coração dilatado, seus pais, filhos, parentes e até os seus inimigos.
Convertidos, os discípulos participam do amor misericordioso do Pai e se tornam instrumentos de paz e de unidade, de comunhão e de transformação. Se há os que rejeitam a mensagem, há os que a abraçam e se abrem à sua incondicional exigência... Mudam (metanoia) seu modo de pensar, de agir... Vivem a comunhão salutar e perene com o Pai das misericórdias.



+Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro