Reflexão do Evangelho – Domingo, 13 de agosto


Mt 14,22-33 - Jesus caminha sobre as águas



     
Após despedir o povo e enviar os discípulos para a outra margem do lago, “Jesus subiu ao monte, a fim de orar”. Silêncio e solidão. Entre as nuvens, tocadas pelo vento forte, Ele divisa o pequeno barco dos discípulos, que buscavam em vão chegar a Cafarnaum.  “Na quarta vigília da noite”, nos primeiros albores do dia, Ele decide procurá-los. Soprava ainda um vento intenso, quando os Apóstolos avistam, em meio às águas encapeladas, caminhando sobre elas, um vulto que vinha ao encontro deles. Assustados, sentem um frio na espinha, o sangue gelar nas veias, e chegam a exclamar: “É um fantasma! ”.
Em meio ao fragor das ondas, que ameaçavam virar o pequeno barco, eles ouvem uma voz serena, tranquilizando-os “Sou eu. Não tenhais medo”. Custava-lhes crer que fosse o Mestre, que, aliás, faz menção de passar adiante, como o fez com os discípulos em Emaús. A esse propósito, comenta S. João Crisóstomo: “Jesus não acorre logo para salvar os discípulos, mas os instrui, através do temor, a afrontar os perigos e aflições”.
Impetuoso, Pedro o interpela: “Senhor, se és tu, manda que eu vá ao teu encontro sobre as águas”. Ao ouvir a voz que lhe dizia: “Vem! ”, ele atira-se da borda do barco e põe-se a caminhar sobre as águas. Mas passados alguns instantes, sentindo-as sob seus pés, percebeu o que estava acontecendo e começa a afundar. É o que acontece com o cristão, quando, de improviso, bate à sua porta a adversidade, logo lhe falta coragem e ânimo. Então, a voz do seu coração se identifica com o apelo do Apóstolo Pedro: “Senhor, salva-me! ”, que expressa a profunda convicção de que Jesus é garantia da presença de Deus, em quem se pode ter confiança permanente. E para confirmar que sua missão é suscitar uma fé mais vigorosa em Deus, Ele estende a mão para ajudá-lo, dizendo: “Homem fraco na fé, por que duvidaste? ”. Desse modo simples e carinhoso, Jesus evita que o perigo da demasiada confiança em si mesmo atire Pedro à decepção e ao engano; por isso, erguendo-o, anima-o a crer nele e a se entregar tranquilamente em suas mãos.   
Por fim, os demais apóstolos, no barco, como Pedro, sentem-se seguros e entendem que as palavras de Jesus: “Não temais”, tinham a força de um apelo para despertar confiança em sua Palavra. Assim como o povo de Israel se mostrara confiante e fiel à ação benevolente de Deus, conduzindo-o através do deserto, agora, Jesus, com seu indestrutível amor, os acompanha e lhes concede as asas da verdadeira liberdade, para não se deixarem abater interiormente diante das dificuldades e agitações da vida. Caso vacilem e venham a afundar, eles não hão de esmorecer e perder o ânimo, mas terão serenidade interior (apátheia) para enfrentar a adversidade, pois o Mestre é digno de toda confiança, e Ele estará sempre ao lado deles com a sua mão misericordiosa.


†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro