Reflexão do Evangelho – Domingo, 01 de outubro




Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos

     
        Um agricultor pede aos seus dois filhos para irem trabalhar em sua vinha. O primeiro, prontamente, dá o seu assentimento, porém, não vai; o outro, secamente, responde: “não quero”; mas depois, arrependido, volta atrás, e resolve atender ao pedido do pai. Reconsiderando, ele não consegue admitir a possibilidade de discordar do pai, não por temê-lo, mas pelo receio de se fechar sobre si mesmo e não corresponder a uma vida de comunhão. Praticamente, trata-se de uma conversão, consequência do profundo anelo de estar com o pai e de se colocar de acordo com a sua vontade, pois a própria diversidade e diferenças entre eles não pode ser ausência de relações, que exigem uma unidade fundamental, estabelecida não pelo poder da violência, mas pelo poder do amor. E ele o ama.
Em geral, esta passagem bíblica é interpretada no sentido de mostrar que a obediência a Deus só se concretiza nos fatos, não simplesmente nas palavras. Ao seu tempo, o profeta Ezequiel afirmava que o justo e o pecador apenas seriam julgados, no final, por suas obras.  Nesse sentido, se o filho arrependido é figura dos pecadores e publicanos, com os quais Jesus convive e aos quais oferece a salvação, seu irmão, que diz sim e não vai, representa todos os que dizem conhecer Deus e serem fiéis observantes de seus mandamentos, mas não se dispõem a acolher e a viver as palavras e os ensinamentos de Jesus. O retorno à obediência assinala a atitude pessoal de arrependimento do segundo filho e o correspondente gesto benevolente de Deus, sempre pronto a acolher aquele que se dispõe a trabalhar na vinha.
E Jesus ainda falou... Sua voz surpreende os chefes do povo e os doutores da Lei. A mesma voz, que tudo criou e renovou, lhes dizia: “Os publicanos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus”. Jesus respeita a liberdade dos pecadores e, antes de tudo, quer que se convertam, não contando as vezes para perdoar e amar. “Se falar de Deus, dizia S. Gregório de Nazianzo, é uma grande coisa, melhor é ser purificado por Ele”. Perpassando a linha divisória do pecado, que pretendia isolar as criaturas do seu Criador, Jesus proclama que ninguém precisa deplorar seus pecados, porque o perdão supera o mal; ninguém terá de temer a morte, porque sua morte será fonte de liberdade e de paz; ninguém deve se desesperar, porque a boa-nova do Evangelho é oferta universal da misericórdia divina, vivida no amor e no serviço a todos.



†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro