Reflexão do Evangelho – Domingo, 03 de setembro


Mt 16,21-27 - Condições para seguir a Jesus


      Justamente após a profissão de fé do Apóstolo S. Pedro, os discípulos encontram-se diante de um novo enigma, apresentado por Jesus: sua paixão e morte. O autoconhecimento de Jesus traz diversas interrogações, no que se refere à sua morte e, particularmente, ao fato de sua ressurreição, que culmina com a salvação das nações. Como alimentassem a ideia de um Messias glorioso e político, os Apóstolos se sentiam perturbados, preocupados, mas não ousavam pedir-lhe um esclarecimento.  Afinal, desde um determinado momento, Jesus conta com a possibilidade de uma morte violenta, que será integrada por Ele em sua entrega consciente e total nas mãos do Pai.
Assim, as palavras dirigidas aos Apóstolos: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e siga-me”, tornam-se mais compreensíveis. Elas expressam o convite do Mestre para se situarem no quadro de uma confiança total em Deus, porta de entrada, em seus corações, do Evangelho da paz e do amor. Como se depreende de todas essas considerações, eles serão seguidores de Jesus, não pelo fato de o acompanharem, mas por participarem de sua vida e de sua morte: como testemunhas da soberana liberdade de Deus, eles estarão prontos a sacrificar a própria vida no anúncio da mensagem do Evangelho.
Em seguida, visando fortalecê-los na fé, Jesus lhes faz uma exigência paradoxal: “Quem quer salvar a vida, vai perdê-la, mas o que perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”. Para Orígenes, o sentido de perder a vida por causa dele, significa: “Por causa de sua união com Ele”, fato que inclui o abandono da própria profissão, da própria casa, da família e de seus bens, e caracteriza uma verdadeira conversão religiosa. Apresentada como condição necessária para ser membro da comunidade de seus seguidores, ela expressa a ideia de que não pode haver renovação se não se morre às formas antigas de pensar e de agir.
Efetivamente, os discípulos irão gastar a sua vida no serviço generoso e despretensioso aos irmãos, para reencontrá-la em meio às bênçãos divinas, que acompanham a abundância de vida no amor misericordioso do Pai. Assim, após terem carregado sua cruz, pois só com a cruz lhes é dada a ressurreição, eles participarão solidariamente da glória do Mestre, “estabelecido Filho de Deus com poder por sua ressurreição dos mortos, segundo o Espírito de santidade” (Rm 1,4).




†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro