Reflexão do Evangelho – Domingo, 17 de dezembro




Jo 1,6-8.19-28 -  Testemunho de João Batista

     
        Às margens do rio Jordão, destaca-se a austera figura de S. João Batista, que não deixava o deserto nem mesmo para ir à procura do Messias para ouvi-lo ou segui-lo. As pessoas vinham a ele, provenientes das cidades e aldeias vizinhas, movidas por uma torrente de sentimentos de toda sorte, as dúvidas, as angústias, em busca de paz e de consolo espiritual. Profundamente impressionadas com as palavras do profeta, após serem batizadas, elas voltavam para casa animadas pela esperança de terem encontrado um mensageiro, que lhes tinha revelado a Palavra de Deus, força divina de reparação e de reconciliação. João realiza sua missão: oferece a todos o batismo de arrependimento e de penitência, caminho preparatório para a plena efusão do Espírito Santificador a ser concedido pelo Messias.   
Para valorizar ao máximo essa sua função de precursor e de testemunha, o Apóstolo e Evangelista S. João jamais emprega, para caracterizá-lo, o termo “Batista”. Um belo exemplo encontra-se, justamente, nesta passagem, na qual ele relata o fato de os judeus terem enviado de Jerusalém sacerdotes e levitas para o interrogarem. Eles simplesmente perguntam: “Quem és tu? ”. Conhecendo as intenções dos que o interrogavam, sem titubear, ele testemunha: “Eu não sou o Cristo”, título que designa o Messias, o “ungido”, o enviado escatológico, o novo Davi, esperado por todo o povo como aquele que viria para libertá-lo do jugo estrangeiro e, portanto, restabelecer o reino de Israel. Humilde, João não deseja ser considerado mais do que realmente ele é.
 Porém, a curiosidade, não só dos judeus de Jerusalém, mas de todo o povo, é grande. Sequiosos, eles esperam ouvir de seus próprios lábios, se ele é ou não o Messias. Os mensageiros voltam a lhe fazer a mesma pergunta. Ele, olhos fixos neles, em alto e bom som, declara novamente não ser o Messias, aquele que daria início ao “Tempo Final”, e repete, mais uma vez, ser simplesmente a voz daquele que veio preparar os corações para a vinda do Messias. Talvez eles continuem indecisos a modo de Nicodemos, mas vale a pena lembrar sua insistência em descrever a finalidade de sua missão: “Batizar com água” para a penitência, “banho necessário, diz S. Agostinho, para tirar a areia dos olhos” e torná-los sensíveis à beleza do mundo, ao sofrimento e à angústia dos seus semelhantes. E, mais adiante, em vista da hesitação de alguns, João Batista acrescenta: “No meio de vós, está alguém, que vem depois de mim, não reconhecido por vós e do qual não sou digno de desatar a correia da sandália”.
Afastam-se, então, as densas nuvens da incerteza e da dúvida e já despontam no horizonte os albores da paz e da alegria espiritual, frutos do perdão e da remissão dos pecados. O Rei messiânico, o Cordeiro, que ia oferecer o Sangue, a Vida para a salvação de todos, lavando-os dos pecados e convocando-os a viver o que era apregoado pela Lei, se aproximava para orientá-los para o bem e para a busca da verdade e da paz. Eis o anúncio da “vinda do profeta” da salvação, presença incondicional do perdão e da misericórdia de Deus; eis o anúncio do Messias, irrupção de Deus no mundo dos homens, para que compreendam que a salvação se efetiva numa forma de vida que os torne sempre mais humanos e, por conseguinte, dignos de Deus.



Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro