Reflexão do Evangelho - Domingo, 07 de janeiro




Mt 2, 1-12 – Epifania do Senhor





Em Jerusalém, a notícia da chegada de alguns príncipes estrangeiros, que pediam informações sobre um “rei dos judeus”, que acabara de nascer, corre veloz e os comentários se multiplicam. Para alguns, realizava-se a promessa feita a Abraão de que seus descendentes seriam como as estrelas do céu, dos quais um seria o futuro Messias (Nn 24,17). Herodes exaspera-se, enfurece-se, já havia matado dois dos seus filhos e estava prestes a matar o primogênito, Antípater, e agora surgia uma nova ameaça: alguém alheio à sua família para arrebatar-lhe o poder.

Os Magos, alheios a essas preocupações, apenas queriam saber onde devia nascer o anunciado pela estrela. Segundo os profetas, a cidade seria Belém, dizem os sacerdotes e escribas a Herodes, que, ao transmitir aos Magos, pede-lhes que enviem informações precisas sobre o local do seu nascimento. Mergulhado em pensamentos sombrios, simulando o desejo de prestar-lhe o devido culto, arquitetava como tirar a vida do suposto Messias.

Ao ouvi-lo, os Magos retomam a estrada. Nada de perder tempo! Ao saírem de Jerusalém, “eis que a estrela que tinham visto no Oriente ia à frente deles até que parou sobre o lugar onde se encontrava o Menino”. Fato que leva S. Inácio de Antioquia a exclamar: “Todos os astros, juntamente com o sol e a luz, formaram coro em torno do astro, e ele projetou sua luz mais do que todos”.

Admirados, os Magos nada mais viram do que uma pequena gruta. Entrando, ficam impressionados com a simplicidade e a rústica beleza do ambiente: era um estábulo e na manjedoura, deitado, um Menino. Imediatamente, conforme costume oriental, eles se prostram em adoração e oferecem-lhe os presentes, que traziam consigo. S. Leão Magno escreve: “Do tesouro de seu espírito, oferece ouro, aquele que reconhece o Cristo como rei de toda criatura; mirra, aquele que crê ser o Filho de Deus em nossa natureza humana; incenso, em sinal de profunda reverência, aquele que confessa ser Ele igual ao Pai, em tudo, absolutamente”. Alegres e agradecidos, por terem realizado o objetivo de sua missão, eles retornam à sua pátria, alimentando as mais belas esperanças.

Epifania, epipháneia, manifestação de Jesus ao mundo; cântico de louvor, exórdio do Evangelho do amor e da esperança; revelação da bondade misericordiosa do Deus Uno e Trino, enviando o Filho eterno, que se fez Irmão no seio da Virgem Mãe de Nazaré. Ele é o caminho para o Pai Criador, caminho para chegarmos ao sentido da vida: a unidade do amor, destino pretendido por Deus, inscrito no coração de cada pessoa. Na gruta, encontram-se o povo de Israel, representado pelos pastores, e os demais povos e nações, representados pelos Magos; unidos, adoram o Menino Jesus, que de braços abertos, como na Cruz, realiza, na justiça e na paz, a harmonia de todos com todos.





†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro