Reflexão do Evangelho – Domingo, 28 de janeiro



Reflexão do Evangelho – Domingo, 28 de janeiro
Mc 1,21-28 - Jesus em Cafarnaum e a cura de um endemoninhado


Em sua peregrinação, Jesus e os Apóstolos iam a Cafarnaum, mais do que a outras cidades. Ao contrário de João Batista, Jesus mantinha contato com as pessoas, indo de cidade em cidade, e quando estava em Cafarnaum, permanecia na casa de Simão Pedro ou de André, seu irmão. No sábado, eles iam à sinagoga, lugar de encontro da comunidade, para as orações e as leituras dos textos bíblicos. Por ocasião da instrução, a fim de transmitir à assembleia uma palavra de esperança e de consolo, o chefe da sinagoga convidava, conforme costume antigo, um dos membros visitantes para administrá-la.
Assim, Jesus teve a oportunidade de realizar em Cafarnaum suas primeiras curas, como também de falar muitas vezes à comunidade. Com uma peculiaridade: suas palavras de poder e de sabedoria iam ao coração dos ouvintes. Mestre qualificado, Homem do recolhimento interior, Ele se dirigia às pessoas, uma por uma, comunicava-se com elas, indicava orientações para seu agir, e as exortava com firmeza e lucidez, sem fanatismo e tons patéticos.  
Cafarnaum tornou-se, deveras, um campo (Caphar) de consolação (Naum) para seus habitantes, que “se extasiavam com os seus ensinamentos, porque Ele ensinava com autoridade e não como os escribas” (v.22). O modo franco e transparente de falar, a liberdade com que interpretava a Lei e os profetas, criava ao seu redor uma atmosfera de confiança, de alegria e de admiração. Realmente, as palavras de Jesus atingiam o mais fundo do ser, pois Ele expunha seus ensinamentos não a partir das opiniões dos rabinos ou doutores da Lei, mas com autoridade própria (ecsousia). Segundo S. Jerônimo: “Ele ensinava como Senhor, não se apoiando em outra autoridade superior, mas a partir de si mesmo”.
Por ocasião de uma dessas passagens por Cafarnaum, Ele curou um endemoninhado, que gritava: “Que queres conosco, Jesus Nazareno? Vieste para arruinar-nos? Sei quem tu és: o Santo de Deus”. O embate com o Mal é descrito pelo Evangelista como uma luta pela preservação da liberdade interior, dom concedido por Deus ao homem, “que pode, no dizer de Orígenes, conduzi-lo ao cume do bem ou precipitá-lo no abismo do mal”. Esta luta situa-se no interior do homem, abrangendo seus desejos e ações, seu corpo e espírito. A vitória sobre o mal foi conseguida por Jesus, alcançou-nos do Pai melhores dons, pois “onde abundou o pecado, a graça superabundou” (Rm 5,20).
Testemunhas da cura do endemoninhado, os membros da sinagoga exclamaram: “Um novo ensinamento com autoridade! Até mesmo aos espíritos impuros dá ordens, e eles lhe obedecem! ”. Os milagres e a expulsão de demônios, embora não essenciais, colaboravam para reforçar a mensagem de que Deus não abandonou o homem, mas assumiu, no Filho Jesus, nossa história e nossa vida, fez-se presente entre nós. Daí o imperativo proposto por Ele aos discípulos, desejosos de alcançar a paz e a felicidade: ter o coração aberto a um Deus de bondade, fiel à Aliança estabelecida com Israel. Deus lá está, sempre de novo, inesgotável, em seu amor misericordioso. 



†Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro