Reflexão do Evangelho - Domingo, 11 de novembro


Reflexão do Evangelho
Domingo, 11 de novembro
Mc 12, 41-44 - O óbolo da viúva


        No Templo, mais precisamente, na praça chamada “pátio das mulheres”, onde estava o cofre para a coleta das ofertas, encontravam-se Jesus e os Apóstolos. Muitos se aproximavam do local e jogavam, como aquele homem rico, mancheias de dinheiro, sobre o piso de pedras, visando despertar a admiração de todos.
O que Jesus espera é fé e vida sincera, e não grandes manifestações de piedade, nem atos de grandeza ou de vãs pretensões. Por isso, para inculcar nos Apóstolos uma fé firme e indubitável, Ele lhes diz: “Olhai para aquela mulher, uma pobre viúva, maltrapilha, que deposita no cofre apenas duas moedas de pequeno valor. Pois bem, foi esta pobre viúva que lançou mais do que todos”.
Ela doa o que tinha para sua subsistência: sinal de profunda e verdadeira confiança em Deus. Ela vai além do que é negado pela força do pecado e, mesmo, pela força de sua situação de criatura humana. O gesto exprime a espontaneidade, a verdade de sua pessoa, e atesta que a sua dignidade reside em poder alçar voo nas asas da liberdade do amor. 
         Profundamente sensibilizado, Jesus faz questão de destacar, de valorizar a importância do modo de ser daquela mulher. Realmente, imbuída de amor e de esplendor, ela participa de um sol que não conhece ocaso, de uma vida que supera o sopro da morte. S. Ambrósio escreve: “A dádiva da viúva foi medida, não pelo peso, mas sim pela gratuidade de sua entrega”. Porque, acrescenta S. Jerônimo, “quem não possui nada pode ter tudo, enquanto quem detém muitas coisas pode carecer da condição de possuir o essencial”. 
         De modo concreto e incisivo, a pobre viúva proclama o mandamento de amar a Deus com todas as suas forças ou, segundo o pensamento judaico, com todas as suas posses terrenas. E os Apóstolos percebem quão é decisivo abraçar a simplicidade e desapegar-se de tudo para viver a fraternidade e se doar, sem reservas, à missão evangelizadora.
A pobreza, em seu sentido de liberdade interior, mais do que a falta do necessário para garantir a subsistência física, revela-se como a capacidade de doar-se, totalmente, a Deus e aos irmãos.
É fantástico! A pobre mulher, qual farol em meio aos rochedos da ganância e do egoísmo, abre espaço para a recomendação final de Jesus: “Quem pensa ganhar o mundo inteiro para salvar sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, vai salvá-la”.  



+Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro