Reflexão do Evangelho – Domingo, 25 de junho


Mt 10,26-33 - Falar abertamente e sem temor



     
      Embora não exclua a escatologia futura, Jesus insiste na transformação do momento presente, graças à alegre notícia que Ele, o Ungido profético, comunica em nome de Deus. Destinada a todos, judeus e gentios, pois seu sentido é mundial, universal, ela dá lugar a um novo tempo, em que a história celeste, até então invisível, vai se tornando urna realidade visível aqui na terra: inovação inaudita e radical, sem quebra, no entanto, de continuidade. Uma vez presente na história, ela jamais dela se afastará.
Jesus quer que tenhamos uma vida de fé, pois ela é fundamental para se reconhecer até que ponto o Reino de Deus, que é paz, justiça e amor, está se realizando. Daí, para fortalecer os discípulos na fé e inculcar-lhes a certeza de que a verdade acabará prevalecendo, Ele descreve quatro antíteses: “Nada há de encoberto que não venha a ser revelado, oculto que não venha a ser conhecido”. Ademais, o que lhes foi ensinado na intimidade da vida apostólica, eles irão proclamar, com força e sem temor, a todos e publicamente. Eles nada têm a temer. O mesmo se diga dos sofrimentos suportados na sombra dos calabouços ou das salas de tortura, pois fiel à sua promessa, eles serão vitalizados pelo Espírito, que tornará o fardo da existência suave e lhes concederá uma perene alegria interior. 
Desse modo, com palavras simples, concretas e vivas, Jesus lhes transmite ternura e doçura, e lhes garante que agirá neles e por meio deles, despertando no âmago de seus corações a certeza de que são amados e que amar a Deus não é um dever, é um grito de reconhecimento pelo fato de Ele os ter amado por primeiro. No dizer de S. João Crisóstomo: “Ele é chamado o Deus da consolação e das misericórdias”; Ele é o Pai, que zela e cuida de todos; até mesmo as pequenas criaturas são objeto de sua solicitude: “Não se vendem dois pardais por um asse? E, no entanto, nenhum deles cai em terra sem o consentimento do vosso Pai! ”.
E voltado para o futuro, Jesus conclui: “Quanto a vós, até mesmo os vossos cabelos foram todos contados. Não tenhais medo, pois valeis mais do que muitos pardais”. Por fim, haverá um tempo de felicidade e de paz, no qual Ele participará juntamente com seus discípulos da refeição escatológica.


+Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto