Reflexão do Evangelho - Domingo, 10 de março


Reflexão do Evangelho
Domingo, 10 de março
Lc 4,1-13 – As tentações de Jesus



Por uma opção livre e pessoal, Jesus vai ao deserto, onde permanece por 40 dias. Humanamente, colocou-se numa situação muito difícil de sobrevivência, sem comer, com o risco de desidratar-se... uma loucura! Contradição à lógica da vida, inimiga de uma situação semelhante. Ele quer solidão, espaço de recolhimento e de oração, para dialogar com o Pai, e, despojado, entre as coisas, entender melhor a voz das pessoas e a miséria do coração daqueles aos quais Ele iria anunciar o Reino de Deus.
Sem titubear, no pleno domínio de si mesmo, rejeita as ilusões e pretensões de um futuro prazeroso e tranquilo. Faminto, Ele ora, medita, quer ser livre, quer que todos vivam em paz. À oferta do Tentador, sem se desviar de sua missão, responde: “Nem só de pão vive o homem, mas da Palavra que sai da boca de Deus”. Volta a orar... O silêncio o envolve... a voz do Pai... voz de amor... amor que tudo preenche, amor que assinala ao Filho sua missão redentora.   
        Irredutível em seu propósito, nada O abala. O Tentador não desiste. Multiplicam-se as provocações: do alto da montanha, ele promete riquezas, poderio político, dar-lhe os reinos do mundo, um mar de sugestões, que fascinam, que enfeitiçam. Armadilhas, que o Senhor evita e, sereno, sem se deixar levar por impulsos, as destrói com a sublime oferta do pão atemporal, sua própria vida, para a salvação da humanidade toda inteira.
        As palavras do Tentador soavam como proposições absurdas, desbaratadas, que nada diziam. Tentativas para afastá-lo do cumprimento da missão dada pelo Pai. Meras sugestões, atrações, mas nenhum consentimento de sua parte.
Vencido, o Tentador percebe o sussurrar de uma voz: “Ele é Aquele que saciará a fome espiritual dos que partilham seu pão com os famintos e pobres do mundo; e, no tempo oportuno, entregará sua vida nas mãos do Pai, que o ressuscitará no terceiro dia”.
Do outro lado da montanha, não muito distante, um hino triunfal já se eleva. Soam as bem-aventuranças, fonte de perdão e de misericórdia para todos os de coração humilde e simples.

+Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro