Reflexão do Evangelho de domingo 13 de dezembro



Reflexão do Evangelho de domingo 13 de dezembro

Lc 3, 10-18 - Testemunho de João Batista



       As exortações, feitas por S. João Batista, situam-se no quadro da mensagem anunciada por Jesus, e o seu batismo é prenúncio do batismo regenerador do Novo Testamento. Aos que o seguem, ele urge o arrependimento de seus pecados. No entanto, preocupados, eles lhe pedem maiores esclarecimentos: “Que devemos fazer? ” A resposta é rápida e direta: “Quem tiver duas túnicas, reparta-as com aquele que não tem, e quem tiver o que comer, faça o mesmo” (v. 10). É grande e admirável a boa vontade de todos, a ponto de eles manifestarem o desejo de não apenas permanecerem nas palavras, mas passarem imediatamente aos atos, às obras. Em sua resposta, João emprega três verbos, correspondentes às três necessidades básicas do ser humano: alimentar, habitar e vestir. Se elas expressam as principais obras de misericórdia, também evidenciam a equidade social e, consequentemente, a necessidade da partilha de bens. A seguir, voltando-se para os soldados, João exorta-os a não molestar ninguém com extorsões, e recorda que a força pode degenerar em violência e corrupção.

Nesse sentido, S. Cirilo de Alexandria observa: “O santo Lucas, como um hábil médico, aplica a cada doença um remédio adequado, assim também o Batista deu a cada grupo, que representa um tipo de vida, um conselho útil e apropriado. Às multidões recomendou a prática mútua das obras de bondade; no caso dos publicanos, pôs fim à cobrança indiscriminada; aos soldados aconselha a não oprimirem ninguém, mas contentarem-se com o seu soldo”. No entanto, o objetivo da confissão dos pecados não é, simplesmente, a prática da penitência, mas é confessar que aquele que está no meio deles, o Messias, é bom, santo e misericordioso.

Por isso, diante do fato de as pessoas pensarem ser ele o Messias, João Batista, após excluir essa possiblidade, esclarece ser apenas o seu precursor. Diz ele: “Eu vos batizo com água, mas vem aquele que é mais forte do que eu, do qual são sou digno de desatar a correia das sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”. Ao declarar que aquele que vem é mais forte do que ele, João reconhece que Jesus, revestido do fogo do Espírito Santo, inaugurará o Reino de Deus, e dará início a um mundo novo, em que todos, pelo batismo, tornam-se novas criaturas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 20, 1-16 - Parábola dos trabalhadores da vinha - Quarta-feira 20 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos - Domingo 28 de Setembro