Reflexão do Evangelho de sexta-feira 04 de dezembro



Reflexão do Evangelho de sexta-feira 04 de dezembro
Mt 9, 27-31: Cura de dois cegos

       
        A costa do mar da Galileia, descrita por Flávio Josefo, destacava-se “pela natureza extraordinária e pela beleza encantadora”. Lá, Jesus viveu e anunciou o Evangelho do amor e da misericórdia. Ao longo do lago de Genesaré, estendiam-se diversas e pequenas cidades, das quais Cafarnaum, onde viviam Simão Pedro e seu irmão André. Certa feita, percorrendo os caminhos da região, dois cegos vem ao encontro de Jesus, clamando: “Filho de Davi, tem compaixão de nós! ” O título “filho de Davi” traduz a expectativa popular da vinda do Messias, anunciado a Davi pelo profeta Natan e cuja promessa fora muitas vezes reiterada por Isaías, Jeremias e outros profetas. O mesmo título foi utilizado pelo anjo Gabriel no anúncio a Maria, e o evangelista S. Mateus diz que Jesus o merece juridicamente, por ser “da casa de Davi”.
Exprimindo sua confiança em Jesus, como enviado de Deus, os dois cegos clamam por misericórdia. Mas Ele não quer simplesmente curá-los da cegueira corporal, quer também libertá-los da cegueira do coração, levando-os a uma confiança inabalável na ajuda de Deus. Observa Orígenes: “Aquele que é cego nos olhos do corpo não pode receber a luz do sol e da lua; igualmente, quem não crê não é capaz de contemplar a luz de Cristo”. Por isso, o Senhor lhes pergunta: “Credes vós que tenho poder de fazer isso? ” A intenção é provocar a fé e fazê-los reconhecer que nele se oferece uma nova comunhão com Deus. Mas tudo depende da real decisão deles. Só então após terem respondido: “sim, Senhor”, é que eles são iluminados pelo resplendor da luz divina, sinal da presença salvadora de Deus.
         Enviado pelo Pai, Jesus remove do coração humano a cegueira do erro e da maldade. Após, recomenda-lhes: “cuidado, para que ninguém o saiba”, pois seu desejo é que o milagre fique só entre eles e Deus. Mas os dois não dão atenção ao pedido do Senhor e começam a divulgar por toda a parte quem os curou. Justamente por essa razão, o episódio narrado mostra-se precioso, pois não só os devolvia a si mesmos, alegres e jubilosos, em seu relacionamento com Deus, mas também eles se tornavam arautos do Evangelho. Na experiência da graça do perdão, eles proclamam a fé em Jesus e que Deus é “o soberano amante da vida” (Sab 11,24).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro