Reflexão do Evangelho de quarta-feira 09 de dezembro



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 09 de dezembro
Mt 11, 28-30 - Vinde a mim todos os que estais cansados
               
Um dia, voltando-se para os peregrinos que o acompanhavam, disse-lhes Jesus: “Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo”. A expressão “fardo” ou “jugo” era, aliás, muito empregada pelos judeus para exprimir a submissão a Deus. Assim, eles se referem ao fardo da lei, dos mandamentos e ao jugo do Reino. No Evangelho, Jesus diz que o seu “jugo é suave”, o que para o leitor grego significa um jugo “bem ajustado”, “adequado”. Em outras palavras, as exigências que pesavam sobre a conduta religiosa e moral, as prescrições que provinham da Lei divina, dos oráculos proféticos, também das doutrinas dos mestres e das autoridades religiosas, seriam adequadas aos que buscavam a santidade de vida e se dispunham a seguir o Mestre.
       “Vinde a mim”, exclama Jesus, mostrando que o seu jugo ou fardo, antes de se traduzir em lei ou prescrições, é uma relação pessoal que se estabelece entre Ele e os discípulos. Ele é o Sábado do novo Povo de Deus, aquele que concede o verdadeiro descanso, pois seu “fardo é leve e seu jugo é suave”. Atraídos por Ele, seus discípulos o seguem pelo caminho que os conduz à feliz eternidade do Pai, sob a luz da misericórdia, que lhes infunde alegria, coragem e esperança. Ora, os fariseus permaneciam mergulhados no mar do ritualismo e da casuística das intepretações da Lei, arma poderosa de domínio sobre o povo, e terreno fértil para abusos e arbitrariedades. Por isso, as palavras do Mestre pareciam-lhes incompreensíveis.
        Diferentemente dos fariseus, ao Bem-amado do “Abba”, doce e humilde de coração, foram confiados o mistério e a instauração do Reino dos céus, juntamente com o poder de revelá-los aos discípulos, que se inscrevessem na escola do amor “agápico”. Assim, como servos de todos, eles irão encontrar o tão desejado repouso na realização da “promessa de Jesus, que chama a si todos os que estavam cansados. Talvez, continua S. Agostinho, eles esperassem alguma outra recompensa, mas em troca, eles recebem a resposta: Eu vos farei repousar”. Com a respiração presa de alívio e admiração, os discípulos passam do temor para o amor, das muitas prescrições para o serviço alegre aos irmãos, pois em Jesus tudo é atual e palpitante de vida. Nele, eles encontram repouso e o segredo da verdadeira e interminável vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro