Reflexão do Evangelho de sexta-feira 25 de dezembro



Reflexão do Evangelho de sexta-feira 25 de dezembro
Lc 2, 1-14 - Nascimento de Jesus
      

       Natal, vinda do Filho de Deus, que “se torna, escreve S. Beda, partícipe da nossa natureza, tornando-nos participantes da sua graça”. Maravilhado, exclama S. Agostinho: “Desperta, ó homem, por tua causa Deus se fez homem”. A salvação entrou no mundo, pois quem nasceu de Maria é o nosso Salvador, “que assumiu nossa humanidade para nos comunicar as riquezas da vida de Deus” (Orígenes). Alegrem-se os céus, exulte a terra, porque aquele que é do céu está agora na terra.
       Tudo que é de Deus nos é comunicado por Jesus. Daí anunciarem os anjos aos pastores: “Alegrai-vos, nasceu-vos o Salvador”, resplendor da luz divina, que veio ao mundo para iluminar todos os povos. Comemorar o seu nascimento é ir ao presépio de Belém e adorar o Menino Jesus, que não quis se manifestar em meio às pompas, mas na simplicidade de uma criança e na pobreza de uma manjedoura. Declara S. Ambrósio: “Jesus nasce de um seio materno, mas, igualmente, refulge no céu; jaz num refúgio terreno, mas reina no esplendor celeste! ”.
       Reconhecidos, agradecemos o divino presente concedido por Deus. Os enfeites, a festa e os presentes natalinos significam que somos nós os agraciados e presenteados por Ele. Nessa compreensão, um presente, embora caro, e um simples e sincero sorriso se equiparam. Da mesma forma, o aperto de mão, que demonstra amizade e solidariedade, e o perdão que oferecemos ao irmão tornam-se sinais da bondade e do amor de Deus para conosco. Noite santa, na qual se eleva o cântico de amor a Deus e se expressa a fé presente no coração dos fiéis, prostrados ao lado do Menino.
Porém, a pureza do momento se embaça e ficamos alarmados com os abusos nos gastos e a sofisticação crescente das celebrações. Espontaneamente, um clamor eleva-se aos céus. Ao nosso redor, jazem crianças sem teto e sem pão, famílias na miséria e desassistidas. Com a voz embargada, unidos aos anjos, entoamos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade”. Paz aos que se solidarizam com seus irmãos e partilham seus bens com generosidade e amor. Pois, como escreve S. Efrém, “no momento em que a divindade desceu e revestiu-se de humanidade os anjos exclamaram: ‘paz na terra’; e quando a humanidade subiu para ser absorvida na divindade e sentar-se à sua direita, gritavam as crianças: ‘paz no céu’, ‘hosana no mais alto dos céus’”.
         Cristo nasce, cantemos glória, Cristo desce do céu, vamos ao seu encontro; a paz penetra, suavemente, o nosso coração, e um olhar de admiração leva-nos a cantar e a louvar a presença do Menino Deus, dom gratuito do amor e da liberdade divina. Ele vem a nós na doação do seu amor divino e nele abeiramo-nos do abismo do Mistério da gratuidade de nossa própria existência. É Natal, o Filho de Deus se fez carne, alegremo-nos, pois as trevas do pecado se dissipam e o mundo é iluminado pela brilhante luz da esperança, prelúdio da Ressurreição!

       Abençoado Natal! Que a luz divina ilumine sua vida e a de seus familiares!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 20, 1-16 - Parábola dos trabalhadores da vinha - Quarta-feira 20 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos - Domingo 28 de Setembro