Reflexão do Evangelho do dia 20 de Junho de 2013

Quinta-feira – 20 de junho
Mt 6, 7-15: A oração do Pai-Nosso
                   
Os judeus prescreviam a oração formal três vezes ao dia. Os rabinos tinham uma oração específica para cada ocasião. Por sua vez, Jesus, homem de oração constante, alerta os discípulos contra todo tipo de formalismo, que confere à oração certo cunho impessoal e mecânico. Cromácio de Aquileia lembra que, “segundo as palavras do Mestre, nossa oração não é medida pela prolixidade de palavras, mas pela fé do coração e pelas obras de justiça”. S. Cirilo de Alexandria destaca que, “a loquacidade, será chamada de ‘battologia’, palavra proveniente do nome de um grego chamado Batto, autor de longos hinos, prolixos e cheios de repetições, em honra dos ídolos. Ao contrário, Jesus ordena orar com brevidade, sóbria e sucintamente, pois Deus conhece nossas necessidades antes mesmo que as exponhamos”.
A pedido dos Apóstolos, Jesus comunica-lhes sua prece filial, a oração do Pai-Nosso. Preciosa herança, conservada pela Igreja, que a transmite, solenemente, por ocasião do batismo, momento em que o batizado é exortado a renovar em seu coração o santo mistério da oração do Senhor. O Apóstolo S. Paulo invoca a “tradição” de dizê-la na celebração eucarística. O próprio Jesus oferece constantes exemplos e belos ensinamentos a respeito da vida de oração, característica essencial dos que desejam entrar no Reino dos Céus.
 A Tradição não deixa de citá-la. A Didaqué (anos 60-80), antes de transcrever o Pai-Nosso, determina: “Assim orareis três vezes ao dia”. A recomendação de “entregar” esta oração aos catecúmenos, comentando-a, é feita por muitos Padres, entre os quais Tertuliano, S. Cirilo de Jerusalém, S. Agostinho e S. Pedro Crisólogo. S. Cipriano, por exemplo, tece comentários a respeito do Pai-Nosso, lembrando que ao se dizer: “Santificado seja o vosso nome, não dizemos ser Deus santificado por nossas orações, mas pedimos ao Senhor que o seu nome seja santificado em nós”. Desejamos ser uma proclamação de fé e ter uma vida voltada para Deus, no cumprimento de sua santíssima vontade. Deste modo, estaremos santificando o nome de Deus e abrindo o coração aos nossos semelhantes. De fato, na oração dominical não dizemos “meu” Pai, mas “nosso” Pai, e suplicamos “nosso” pão de cada dia. Imploramos o perdão de nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (aos que nos ofenderam). Por conseguinte, ao rezar o Pai-Nosso o discípulo de Jesus recorda que Deus o ama e, mergulhado em sua inefável misericórdia, abandona todo egoísmo e se abre à comunhão com os irmãos, no perdão e no amor.
          S. Agostinho considera que, assim como no Símbolo dos Apóstolos se professam as verdades da fé cristã, no Pai-Nosso se proclama a virtude teologal da esperança, à qual se segue a caridade. “A confissão de fé está contida brevemente no Símbolo. A oração do Pai-Nosso, sob o ponto de vista material, é alimento dos pequenos. No entanto, contemplada e tratada espiritualmente, ela é alimento dos fortes, pois permite nascer nos fiéis a nova esperança à qual acompanha a santa caridade”. E acrescenta o bispo de Hipona: “Por conseguinte, só a Deus devemos pedir a força espiritual esperada para fazer o bem e para alcançar o fruto das boas obras”.
Pela oração assídua do Pai-Nosso, será fortalecida nossa comunhão com Deus e com a sua santíssima vontade. Ela nos conduzirá a tudo esperar de Deus, colocando-nos no serviço generoso e despretensioso aos nossos semelhantes.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro