Reflexão do Evangelho do dia 03 de Março de 2013


Domingo – 03 de março
Lc 13, 1-9: Convite à conversão
           
            No Evangelho de hoje, Jesus refere-se a um dos incidentes ocorridos com seus ouvintes judeus. Pilatos perpetrara um crime no próprio Templo profanando o lugar sagrado de adoração a Deus. Jesus aproveita esse fato para lançar um convite à conversão. Conta-lhes uma parábola ensejando despertar os discípulos para o fato de que ainda resta algum tempo, embora limitado. Eles devem aproveitá-lo para “produzir dignos frutos de penitência”. Convoca-os à renovação de vida. É a parábola da figueira estéril, na qual ele destaca o “tempo da visita”, tempo de sua presença, essencial para chegar a Deus.  Porém, o tempo já praticamente passou, não podemos nos demorar. Na sua breve passagem, nossa resposta deve ser imediata e incondicional.
A figueira escreve S. Agostinho, “significa o gênero humano”, pois, em Jesus, todas as pessoas são convocadas a uma vida nova, no amor e na misericórdia de Deus. A parábola fala do viticultor que, após três anos, não encontrando frutos, pensa em cortá-la. “Todavia, um homem compassivo” - continua S. Agostinho – “intercede junto a ele, para que cave ao redor e coloque adubo, o que indica paciência e humildade. Esperemos os frutos, pensa ele. Como, porém, só uma parte dará frutos, outra não, virá o dono e a dividirá. Que significa dividi-la? O fato de que há bons e maus, unidos no momento presente num único corpo”.   
            Na literatura bíblica, “permanecer sob a vinha ou sob a figueira” era sinal de paz e de bem-estar físico e social, também espiritual, graças à meditação nutritiva das Escrituras. Por isso, o fato de a figueira secar constituía para Israel símbolo temível de infelicidade. E S. Cirilo de Jerusalém lembra que, ao contar esta parábola, Jesus “justamente deseja que produzamos bons frutos. Que não nos ocorra o que se deu com a figueira estéril, cortada e lançada fora”. Um apelo nos é feito. Apressemo-nos, antes que venha o fim, e, pela nossa conversão, reconheçamos Cristo como Senhor e Messias.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto