Reflexão do Evangelho de Mt 10, 34-11,1 - Jesus causa divisões - Segunda-feira 14 de Julho

Reflexão do Evangelho de Mt 10, 34-11,1 - Jesus causa divisões
Segunda-feira 14 de Julho
        
         Pasmos, ouvimos as palavras: “Não penseis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer paz, mas espada”. Na realidade, Jesus leva uma vida itinerante, mas não vagueando pelo mundo ao léu, sem saber o que lhe aguardava. Com objetivos claros, Ele segue um desígnio e de modo lúcido, em perfeita comunhão com o Pai, quer realizá-lo. A firmeza das palavras e a clareza dos ensinamentos mostram sua vontade de cumprir uma missão, muitas vezes, anunciada por Ele como presença eficaz da misericórdia divina.
As palavras do Mestre assustam e enchem de medo os seus discípulos, pois compreendem que aquela é a hora de decisão, da qual eles não podem escapar. Ao dizer que não veio trazer a paz, mas espada, Ele declara que sua mensagem e seus ensinamentos não permitem delongas, mas urgem uma decisão por Ele. Porém, tudo depende da real liberdade de cada um. Ele não força, mas espera que seus seguidores cortem as amarras da escravidão do pecado e possam livremente segui-lo. E não só. Ele fala-lhes também da necessidade de desprenderem-se dos laços familiares para “eliminar, segundo S. João Crisóstomo, o que causa contraste e rebelião no nosso interior”.
         No entanto, o tom incisivo empregado por Jesus não visa anular, mas sim destacar a primazia da paz, potente força interior, que leva o cristão ao cume do bem e a imolar-se no “altar do coração”, como oferta da vida a Deus, em benefício dos irmãos. Em outras palavras, seguir Jesus exige assumir compromissos, que elevam o espírito acima das paixões e dos apegos mundanos e permitem ao discípulo ultrapassar, sem negar, o amor devido aos pais e parentes. Nesse quadro, não há espaço para o comodismo ou para o irenismo, que faz desaparecer as fronteiras do bem e do mal, diluindo contrastes e opções claras pró ou contra Deus.
         Em suma, Jesus coloca em primeiro lugar Deus e deseja que seus discípulos façam opções claras por Ele. Referindo-se à renúncia aos pais e familiares, escreve S. Agostinho: “Eu vos amo em Cristo, mas não vos amo em lugar de Cristo. Sede comigo nele, mas não eu convosco sem Ele”. Eis a orientação fundamental da vida cristã!


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro