Reflexão do Evangelho de Mt 13, 31-35 - As parábolas do grão de mostarda e do fermento - Segunda-feira 28 de Julho

Reflexão do Evangelho de Mt 13, 31-35 - As parábolas do grão de mostarda e do fermento
Segunda-feira 28 de Julho

       Através de breves histórias, as parábolas, o Senhor fala às pessoas de boa vontade. Nesse sentido, Ele compara o crescimento da vida espiritual ao processo lento e progressivo de maturação na natureza, dando como exemplos o grão de mostarda e o fermento colocado na farinha para fermentá-la. Palavras simples e acessíveis para dispor os ouvintes, diz S. Jerônimo, “a receber o grão da pregação da Palavra e a se nutrir com a fé, de modo que o pequeno grão germine e cresça no campo de seus corações”.
Nas margens do mar de Genesaré, seus ouvintes veem, diante de si, um arbusto de três metros de altura. O pequeno grão tornou-se uma árvore frondosa, com bela ramagem e fortes galhos, “a tal ponto que as aves dos céus se abrigam em seus ramos”. As aves simbolizam, no dizer de S. Hilário de Poitiers, “os Apóstolos, os quais se dividem e se espalham a partir do poder de Jesus”. Como o fermento, eles irão promover o crescimento do Reino de Deus a partir da Palavra proclamada ou, no dizer de S. João Crisóstomo, “eles irão difundir progressivamente por toda a massa a mensagem do Evangelho”.   
Apesar dos meios serem simples, semente e fermento, os resultados se apresentam extraordinários. Assim, instruídos pelo Senhor e inspirados por Ele, os discípulos são orientados a conceber a difusão do Reino de um modo discreto e singelo. A concepção dos judeus era bem diferente: eles esperavam a vinda do Reino como manifestação grandiosa e estupenda do poder de Deus. Ao invés, os Apóstolos concebem a instauração do Reino como uma transformação interior, escondida e silenciosa, totalmente estranha à concepção vigente na época. 
       Mediante as parábolas, Jesus mostra como Deus, de uma maneira silenciosa, manifesta-se na fraqueza e na pequenez daqueles que o buscam. Mais tarde, o Apóstolo S. Paulo dirá: “Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte” (2Cor 12,10). Portanto, a pequenez do grão e a pequena quantidade de fermento representam não a grandeza do Reino, mas sim o poder do Evangelho, que chegará a todos os povos alegoricamente representados pelas “aves do céu, que se abrigam” na bela árvore do grão de mostarda. S. Jerônimo exclama: “Tenhamos também nós asas de pomba para que, voando para o mais alto, possamos habitar nos ramos dessa árvore e fazer, para nós, ninhos dos ensinamentos do Mestre, fugindo das coisas da terra e correndo para as do céu”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro