Reflexão do Evangelho - Quarta-feira 28 de Janeiro

Reflexão do Evangelho
Mc 4, 1-20 - Parábola do semeador
Quarta-feira 28 de Janeiro

        Na introdução à parábola do semeador, o evangelista fala-nos que Jesus “saindo de casa, sentou-se junto ao mar”. Sugere a ideia de que, tendo sido enviado pelo Pai, Jesus saiu de junto de Deus para vir ao mundo e semear a boa semente da misericórdia e do amor. No entanto, lançada em terra, de acordo com a qualidade de cada terreno, a semente não encontrará o mesmo destino.   
         Enquanto semeava, “uma parte cai à beira do caminho”, terreno “pisado pelos pés de todos”. “Grão pronto a ser levado pelos pássaros, que são os espíritos imundos”, segundo S. Cirilo de Jerusalém. Outra parte, “cai em lugares pedregosos”, onde há pouca terra, “a fé é superficial, evanescente. Logo sucumbe à tribulação ou à perseguição, por causa da Palavra”. Por não terem raízes, elas secaram. Há as que caíram entre os espinhos, que representam, segundo S. Jerônimo, “os corações dos que se tornam escravos dos prazeres e dos cuidados deste mundo”. Estes sufocam a semente e elas não resistem.
Alguns grãos, porém, caíram em terra boa e deram frutos, que superam todos os demais pelo número vertiginoso do tríplice rendimento de cada um deles: em um lugar cem, em outro sessenta, em outro trinta por um. A luz divina, ainda que vislumbrada através de uma estreita fresta, dilata prodigiosamente a alma, que se torna um universo em expansão, irradiando justiça, paz e alegria espiritual. Os frutos são abundantes.  

        De modo forte, solene e conciso, Jesus conclui lançando um apelo: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. S. Basílio Magno diz ser “evidente que alguns possuem ouvidos melhores e melhor podem entender as palavras de Deus. Mas o que dizer dos que não têm tais ouvidos? Surdos, ouvi, e vós cegos, vede”. A responsabilidade de acolher bem ou não a semente é de cada pessoa, pois a terra que a recebe corresponde ao coração de cada um. Nesse sentido, escreve S. João Crisóstomo, “não tem culpa, nem o lavrador, nem a semente, mas a terra que a recebe, e mesmo assim não por causa da natureza, mas por força da intenção e da disposição”.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro