Reflexão do Evangelho de Domingo 06 de Abril e Segunda-feira 07 de Abril

Reflexão do Evangelho de Domingo 06 de Abril e Segunda-feira 07 de Abril
Jo 11, 19-27: Ressurreição de Lázaro

         Nenhuma obra humana carece totalmente da luz de Deus, pois nas trevas e na culpa do homem um raio da luz divina não deixa de resplandecer. Por isso, aquele que aceitou a mensagem cristã não vaga mais, de uma para outra parte, movido pela incerteza e insegurança, porque no seu coração ele já entrevê, para além do mistério, o vulto do Invisível. Embora muitos prefiram as trevas à luz, a vinda de Cristo não é estranha ao mundo, pois em cada ser humano brilham centelhas de sua luz, causa de tudo quanto existe de bom, justo e verdadeiro, em todas as culturas e povos. A esse propósito, S. Justino afirma a presença da semente do Logos, existente em cada um de nós, caminho que nos guia para o encontro com Cristo, “o Amém, a Testemunha fiel e verdadeira” (Ap 3,14). E, em Cristo, vencedor da morte, o cristão reconhece a ressureição como a última palavra e, banindo o medo e o horror da solidão, ele experimenta a beleza e a alegria da comunhão espiritual.
         Eis que Jesus toma conhecimento da morte de seu amigo Lázaro e, voltando-nos para os Apóstolos, diz: “Vamos lá”! O itinerário de Jesus é esperança, é vida nova. Ao chegar a Betânia, Ele depara-se com a tensão existente no ambiente, o drama pulsando no coração de Marta e Maria. Mas, após algumas palavras delicadas e esperançosas ditas a Marta, Ele quer reanimá-la e conduzi-la à plenitude da fé, ainda imperfeita. Diante das  palavras de Jesus: “Teu irmão ressuscitará”, no primeiro momento, ela faz uma profissão de fé: “Sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia!” Indubitavelmente, ela crê que seu irmão ressuscitará no último dia, segundo o pensamento judaico a partir das perseguições aos Macabeus. Mas o Mestre vai além, pois a fé na ressureição resulta da graça por excelência, em que Deus se faz reconhecer em seu poder e em seu agir. Crer nela é acolher o segredo da verdadeira e interminável vida de Deus, como afirma S. João Crisóstomo: “Jesus vê a morte não como um fim, mas como a porta de entrada de toda a humanidade na glória de Deus”.
         Guiada pela fé, Marta cede ao impulso da ação divina e contempla a luz de Deus, que a invade com a presença radiosa de Jesus, e reconhece ser Ele aquele que resgata o pecador e abole a morte. Sua declaração de fé significa que, na ressureição final, todos os que lá se encontrarem jamais estiveram realmente mortos. Lázaro simplesmente retornou à vida, participada por ele no tempo presente, sinal da vida nova que todos teremos na ressurreição final, quando, definitivamente, ouviremos a voz do Senhor: “Lázaro, vem para fora!” Que todos ouçam, exclama S. Agostinho, “a voz do Senhor, ouvida por Lázaro, através da pedra: que sua voz penetre nos corações de pedra!” Ao chorar, Jesus manifesta sua natureza humana, assumindo nossas lágrimas e dores, e, em sua natureza divina, Ele age, ressuscitando Lázaro e dizendo a nós: “‘Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim, ainda que morra, viverá”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro