Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 03 de Abril

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 03 de Abril
Jo. 5, 31-47: As testemunhas autentificam a missão de Jesus

         Jesus fala com autoridade. Para credenciar suas palavras, ele cita João Batista, Moisés e as Escrituras Sagradas. E indica um testemunho ainda mais valioso: as obras que o Pai lhe deu a realizar. Elas atestam a seu favor.  
         Os opositores recusam aceitar sua autoridade divina e, dominados pelo orgulho, fecham-se à voz de Deus e não reconhecem o testemunho que o Pai dá de seu Filho. Firmam-se na convicção de que a Lei, concedida por Deus, era um dom perfeito, que englobava todas as manifestações divinas. Ninguém poderia mudá-la. Nem mesmo o Messias. O diálogo entre o homem e Deus passaria por ela e a sua observância o cumularia de méritos, sua transgressão lhe traria o castigo e a exclusão da comunidade.
         A liberdade soberana de Jesus, em relação à Lei, causa-lhes admiração. Ele não nega a Lei, não a suprime, mas alarga seus horizontes até à supremacia do amor. Pasmo, assombro, pois eles são incapazes de vislumbrar a luz da liberdade e a beleza da verdade anunciada por Jesus. Ele é a Palavra de Deus, único a revelar Deus de modo seguro. No entanto, nascidos em uma prisão escura, eles procuram receber “a glória uns dos outros, diz Jesus, mas não a glória do Deus único” e, consequentemente, não alcançam a luz de uma paisagem banhada de sol e de inefável alegria. Escreve S. Cirilo de Alexandria: “A fonte da luz é o Filho único, pois, na unidade perfeita, reluz nele a luz do Pai”.
         Os braços do Senhor se abrem no desejo de acolher a todos para introduzi-los na suavidade dos benefícios do amor divino. Seus inimigos esquadrinham as Escrituras buscando vida, mas não a encontram. No entanto, embora inquietos e nostálgicos, eles não acolhem Jesus, único que poderá lhes conceder a verdadeira vida, a vida eterna. Seus corações estão distantes e endurecidos. Não há fé. Eles utilizam a Bíblia, mas manipulando-a, segundo seus interesses e opiniões, surdos à voz daquele que foi enviado pelo Pai.
Os que o seguem, tem uma visão corporal, sobretudo, espiritual de Jesus, que lhes prodigaliza “a luz divina, que brilha em seus corações e em seus espíritos. Luz sem ocaso, sem mudança, inalterável e jamais eclipsada” (S. Simão, o Teólogo). A fé deles é sólida, porque se enraíza e se fortalece no próprio Deus. Pois “o Pai que me enviou, diz Jesus, dá testemunho de mim” (v.37).

                                                 Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM                                                                      

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro