Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 02 de Abril

Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 02 de Abril
Jo 5, 17-30: Discurso sobre as obras do Filho
       
        Em seu agir livre e misericordioso, Deus jamais dispensa a nossa liberdade. Caso contrário, não seríamos pessoas responsáveis e, em última análise, não haveria o bem e o mal, que nos permitem modelar a nossa identidade. Por conseguinte, para agirmos bem e de modo justo, urge deixar agir em nós o fogo purificador do Espírito divino, que nos comunica o dom do discernimento para distinguir o que é preciso admitir e o que necessitamos rejeitar em nossas decisões para sermos, em Deus, libertos da escravidão do pecado. Então, algo maravilhoso efetiva-se em nossa vida: a presença da salvação, da restauração e do perdão prometidos a todos os que aceitam a divina mensagem de Jesus, o Filho de Deus. Presente em nós, Ele é a prova de que o Pai continua a nutrir infinito amor por nós.   
        Mas há os que, em sua autonomia, recusam o convite do Senhor e consideram inadmissível o fato de ele falar e agir em nome e no poder do Pai. É o que fazem as autoridades religiosas de sua época: acusam-no de “não cumpridor do sábado” e “blasfemador”. Ao invés, o Evangelho de S. João proclama-o Luz do mundo, vindo até nós para separar a luz das trevas, a verdade da mentira, a vida eterna das aparências enganosas e efêmeras. Estabelece-se o conflito vitorioso da luz contra as trevas, pois “a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque as suas ações eram más” (3,19).  
Apesar da rejeição e dos ataques pessoais, Jesus não condena, nem faz ameaças de castigo. A afirmação central do Evangelho declara que “Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (3,16). O julgamento não é Ele quem o faz, mas sim os próprios ouvintes que, pela sua opção, se julgam, de sorte que ao escolherem o lado dos que creem, vivendo como filhos de Deus, serão salvos ou, ao contrário, ao elegerem o lado dos incrédulos, abraçando as trevas do pecado, viverão como “filhos do maligno”. Tais asserções não contradizem a afirmação de que o Filho não veio para julgar o mundo, mas sim para salvá-lo, pois seu mais íntimo desejo é suscitar em nós o amor pelo Pai, graças ao qual o mundo, renunciando às trevas, torna-se transparência e testemunha da verdade.
Nesse sentido, do coração amoroso do Senhor brota o insistente e esperançoso apelo: “vem a hora, e é agora”. O “agora” ou o “desde já” indica a decisão por Jesus, não há delongas, mas a livre e imediata adesão à sua Palavra estabelece comunhão eterna com o Pai. Porque a Jesus foi dado o poder de dar a vida eterna aos que o acolhem. A identidade de ação entre o Pai e o Filho é realçada por S. Agostinho, que diz: “O Filho age unido ao Pai, não no sentido de que o Pai faça obras que são depois imitadas pelo Filho, mas eles agem conjuntamente”. Consequentemente, na medida em que nós vivemos e realizamos as obras de Jesus desde já somos salvos e participamos da glória do Pai e do Filho: “Agora é o tempo da salvação” (Lc 19,9). Caso não as realizemos, distanciamo-nos de Jesus e, por conseguinte, do Pai.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro