Reflexão do Evangelho de Terça-feira – 08 de Abril

Reflexão do Evangelho de Terça-feira – 08 de Abril
Jo 8, 21-30: Origens de Jesus
        
         Diante das restrições de Jesus sobre sua origem, a imaginação dos que o acompanham corre à solta. A pergunta não é “donde vem Jesus”, mas “para onde ele vai”. Alguns julgam que ele iria à diáspora, outros que iria se matar. A resposta de Jesus ecoa de modo áspero e duro para seus adversários. É-lhes impedido não só de chegar aonde ele irá, mas “morrerão no seu pecado”. Ao se referir ao pecado, no singular, ele significa o fato de eles se fecharem à luz divina porque, embora eles festejassem o dia da Reconciliação, o Yom Kippur, não tinham acolhido o Filho que lhes oferecia a suavidade do perdão e do amor.  
         O impedimento não é de lugar ou de localização, não se refere a uma esfera superior e outra inferior, o mundo de baixo e o outro de cima. É um estado espiritual. Pertença a um mundo novo, onde impera a majestade e a glória de Deus, realidade absoluta, superando tudo.
         Ao repetir que eles vão morrer no seu pecado, Jesus lança mais um apelo à conversão. Revela Deus como o Pai dos céus, como o Distante e o Próximo, como o Altíssimo e o Compassivo para que se convertam e não percam o que mais desejavam: a reconciliação com Deus. A soberania de Deus, cultuada no Antigo Testamento e no Judaísmo, leva Jesus a se referir por três vezes ao texto do Deuteronômio (32,39), mas aplicando a si mesmo o “eu sou” de Javé, descrito como o “primeiro e último”, o Deus eterno, único e Salvador.
Ao dizer “eu sou”, Jesus lembra que Deus intervém na história dos homens, agora, de modo todo especial, com a sua presença entre nós. Ele se atribui o caráter de transcendência, também conferido a Ele pelos Apóstolos, ao andar sobre as águas, no mar da Galileia, ou pelo povo, ao realizar os milagres, principalmente, ao perdoar os pecados. S. Agostinho proclama: “Tu, sendo homem, quiseste ser Deus, para tua perdição; Ele, sendo Deus, quis ser homem para encontrar o que estava perdido. Tanto te oprimia a soberba humana, que só a humildade divina te podia levantar”.
        Jesus, o Filho do Homem, reconcilia a humanidade com Deus e instaura a vitória sobre os poderes do mal e do pecado. E quando for elevado na cruz, enaltecido, diz Ele, “atrairei todos a mim e então sabereis que ‘eu sou’”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro