Reflexão do Evangelho do dia 01 de Julho de 2013

Segunda-feira – 01 de julho
Mt 8, 18-22: Exigências da vocação apostólica
         
Em Jesus, dá-se o triunfo de Deus sobre o Reino das trevas, do pecado e do mal. Exclui-se naturalmente dele todo aquele que não dá importância ao que se refere à instauração do Reino de Deus, cuja irrupção ocorreu na história graças à sua mensagem e ação libertadora. Donde a exigência, feita por ele, de que os Apóstolos superem o comodismo e estejam sempre prontos e alertas para acolher o poder real de Deus. Caracterizam esta acolhida a alegria interior e o desprendimento.
Entrementes, um dos discípulos lhe pede para primeiro enterrar seu pai. À primeira vista, a resposta de Jesus nos surpreende. Diz ele: “Segue-me e deixa que os mortos enterrem os seus mortos”. Será que Jesus não dá importância ao amor e respeito devidos aos pais? Há um intuito em suas palavras. Como em outras ocasiões, ele utiliza palavras duras e chocantes para levar os ouvintes à compreensão do conteúdo principal de sua mensagem. Ele quer que os discípulos coloquem a primazia do agir na realização da missão a que foram destinados.
Ele não nega o amor familiar. Simplesmente, ele espera que o discípulo, em meio às adversidades, tenha sempre seus olhos voltados para o alto, de modo que as demais exigências da vida sejam menos imperativas. S. João Crisóstomo destaca este sentido ao dizer: “Cristo faz tal proibição não para que rejeitemos a honra devida a quem nos gerou, mas para indicar que não há nada mais importante para nós do que as realidades do céu. Por elas devemos nos interessar, com todo o fervor e empenho, sem afastar-nos delas um só instante, ainda que sejam graves e urgentes os motivos que nos levam a estar distantes de Jesus”.
Portanto, a proposta de Jesus é que o discípulo participe de sua vida simples, pobre e humilde, pois seus ensinamentos não são puros conceitos e ideias, mas expressam o encontro com a sua pessoa, o Filho unigênito do Pai. Para tanto, o discípulo deverá oferecer condições subjetivas, que o conduza através das realidades transitórias às eternas, ou seja, das realidades terrenas às celestes, das carnais às espirituais. Verdadeiro programa de vida! Jesus leva-o a trilhar o caminho da renúncia e do desprendimento das paixões e dos apegos materiais. Calam-se, então, no seu interior, as vozes do pecado e do mal, e ele estará ouvindo, no silêncio do amor, a voz do Mestre, conduzindo-o à união com o Pai celestial.  Soam as palavras que Orígenes coloca nos lábios de Jesus: “Mortificai o que em vós atrai para a terra, lançai de vós toda ligação com a corrupção da carne, todo mal”. Então, livre e sereno, em seu interior, o discípulo saboreia o ardente amor do Senhor.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro