Reflexão do Evangelho do dia 25 de Julho de 2013

Quinta-feira – 25 de julho
Mt 20,20-28 - Pedido da mãe dos filhos de Zebedeu
         
          Referindo-se à sua morte e ressurreição, Jesus diz aos Doze Apóstolos: “O Filho do Homem será entregue aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado. Mas no terceiro dia ressuscitará”. Ao ouvir tais palavras, omemn HHa mãe dos filhos de Zebedeu dirigiu-se a ele, pedindo que “seus dois filhos se assentassem um à direita e outro à esquerda” em seu Reino. A mãe fez o pedido, mas são os filhos que recebem a resposta. Há uma ambição a ser corrigida. Aliás, não é a primeira nem a última vez que o Evangelho sublinha o desejo de precedência. Por isso, o Senhor interroga: “Podeis beber o cálice que estou para beber?” Estar com ele na glória é viver, desde agora, o abandono total e a renúncia a si mesmo. É participar de sua morte e dos seus sofrimentos. Escreve S. João Crisóstomo: “Quem procura a ostentação, enquanto o Senhor segue a humildade, não reflete a imagem de Cristo, pois não é verdadeiro discípulo quem não imita o seu mestre”.  
          Os Apóstolos respondem, sem titubear: “Nós podemos”. De fato, Tiago morrerá mártir e João estará no Calvário, partilhando do cálice com Jesus, no sofrimento da cruz. Embora não se pronuncie sobre quem irá sentar-se à direita ou à esquerda em seu Reino, Jesus não deixa de despertar nos Apóstolos a consciência de ser ele o Filho amado de Deus, por quem e em quem se realiza o desígnio do Pai. No cumprimento de sua missão, ele assumiu a nossa “natureza de escravo”, sem outro intuito que o de servir à humanidade.
A decisão última cabe ao Pai. No momento, o importante não é preocupar-se com o lugar que se terá na glória do Senhor, mas empenhar-se em participar, desde já, do Reino de Deus. Escreve S. Agostinho: “O caminho para sua glória, a pátria celeste, é a humildade. Se tu recusas o caminho, por que buscas a pátria?” Somos, assim, convidados a assumir e a viver o humilde serviço realizado por Jesus.  S. João Crisóstomo escreve que “Deus, pelo fato de se humilhar, trouxe-nos um proveito: aumentou o número de seus servidores e estendeu o seu Reino. Quando te humilham, pensas que estás sendo diminuído? O abaixamento de Jesus não foi causa de diminuição, mas ele produziu inumeráveis benefícios, milhares de ações boas e permitiu que a sua glória brilhasse com maior resplendor”. Como aos Apóstolos, também a nós, não faltará a graça divina. Pois, desde já, a força de Deus nos acompanha e transfigura nossa frágil e opaca realidade humana, de modo que em Jesus nos tornamos um “deus criado”, um “deus pela graça divina”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro