Reflexão do Evangelho do dia 08 de Julho de 2013

Segunda-feira - 08 de julho
Mt 9, 18-26: Cura da hemorroíssa e ressurreição da filha de Jairo
         
          Será que apresentamos ao Senhor, com fé e confiança, nossas dificuldades e angústias? Quem for ao Senhor, com confiança, jamais ficará desapontado. No Evangelho de hoje, Jesus transmite à mulher doente e ao pai angustiado consolo e conforto. Ele lê os corações e reconhece a fé que os anima e a esperança que os encoraja a se aproximarem dele. O que os move não são razões humanas, mas a confiança que nele depositam.
 S. Agostinho nos diz que “a filha do chefe da Sinagoga significa o povo judeu, enquanto a hemorroíssa significa a Igreja provinda do paganismo”. S. Jerônimo confirma o mesmo significado ao lembrar que uma mulher, doente como ela, segundo a Lei, devia permanecer fora da cidade. “Ela se aproxima durante a viagem, enquanto o Senhor caminha, para ir acudir outra mulher. Por isso dizem os Apóstolos: Era primeiro a vós (judeus) que devíamos anunciar a palavra de Deus. Como a rejeitais e não vos julgais dignos da vida eterna, nós nos voltamos para os gentios” (At 13, 46). Jesus veio trazer a salvação a todas as pessoas, quaisquer que sejam suas nacionalidades.
          Escreve S. Hilário: “O poder do Senhor, habitando em seu corpo, dava eficácia às menores coisas, e a ação divina se comunicava às franjas de sua veste. Pois Deus não é divisível nem limitado. Ora, a fé atinge a todos por toda a parte e o poder divino está igualmente em todos os lugares. O fato de assumir um corpo não cerceia seu poder. Pelo contrário, o poder divino assumiu a fragilidade do corpo humano para, justamente, manifestar nossa Redenção. E seu poder é tão infinito, tão liberal, que a obra de salvação dos homens estava presente até nas franjas do manto de Cristo”.  
          Diante de tais milagres, o que falar da comunhão eucarística, que penetra o mais profundo do nosso ser? Jesus, o Filho de Deus, entra em contato com a nossa natureza pecadora, purificando-nos, salvando-nos. A cura da mulher hemorroíssa se manifesta na filha de Jairo como ressurreição. É sempre o poder de Jesus, o Filho de Deus, agindo. Por Ele somos não só curados, física e espiritualmente, mas ressurgimos como novas criaturas. Notemos que Ele pergunta aos Apóstolos: “Quem me tocou?” Não o faz por ignorância. Ele bem sabe quem o tocou. Daí revelar tanto o que se passa no coração daquela mulher, quanto o que sucederá à filha de Jairo. Nada escapa ao conhecimento de Jesus. Ele tudo sabe e tudo vê. E sua misericórdia é infinita.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro