Reflexão do Evangelho do dia 18 de Julho de 2013

Quinta-feira – 18 de julho
Mt 11, 28-30: Vinde a mim todos os que estais cansados
         
          “Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo”. Convite dirigido a todos, sem exclusivismo. A expressão “fardo” ou “jugo” era, aliás, muito empregada pelos judeus para exprimir a submissão a Deus. Assim, eles se referem ao fardo da lei, dos mandamentos e ao jugo do reino. No Evangelho, Jesus diz que o seu “jugo é suave”, o que para o leitor grego significa um jugo “bem ajustado”, “adequado”. As exigências que pesavam sobre a conduta religiosa e moral, isto é, as prescrições que provinham da Lei divina, dos oráculos proféticos, também das doutrinas dos mestres e das autoridades religiosas, seriam adequadas aos que buscavam a santidade de vida e se dispunham a seguir Jesus.
          “Vinde a mim”, exclama Jesus, mostrando que o seu jugo ou fardo, antes de se traduzir em lei ou prescrições, é uma relação pessoal que se estabelece entre Ele e os discípulos. Tal relação, fundada no amor, fará com que tudo se torne leve e suave. De fato, atraídos por Ele, eles o seguem como discípulos, colocando-se totalmente em comunhão com Ele, participando de sua missão no caminho celestial da vida eterna e da felicidade. Ele se doa aos seus seguidores como “pão da vida”. Ele os refaz e lhes dá as forças sobrenaturais necessárias para a caminhada na vida. Consequentemente, eles são libertados da opressão do pecado, livres do mal e da desesperança e se tornam participantes da vida divina.
           Jesus é, por excelência, doce e humilde de coração, o Bem-amado de seu “Abba”.  A Ele foram confiados o mistério e a instauração do Reino dos céus, juntamente com o poder de revelá-lo àqueles que se colocam em sua escola, seus fiéis discípulos. Introduzidos em seu convívio, eles participam da vida eterna e experimentam a doçura da bem-aventurança. Encontram finalmente repouso. No dizer de S. Agostinho, “a promessa de Jesus é realmente fácil, pois ele chama a si os que estavam cansados. Talvez, eles esperassem uma recompensa. Porém, recebiam a resposta: Eu vos farei repousar”. Dá-se uma passagem, não só do pecado para a graça, mas do temor para o amor. Em Jesus, os cristãos vislumbram a totalidade de sua história, pois nele tudo está presente, tudo é atual e palpitante de vida. O que temer? Por que se cansar? Em Jesus, eles encontram repouso e o segredo da verdadeira e interminável vida.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro