Reflexão do Evangelho de Jo 15, 12-17 - Amai-vos como eu vos amei - Quarta-feira 28 de Maio

Reflexão do Evangelho de Jo 15, 12-17 - Amai-vos como eu vos amei                                                                                                                                     Quarta-feira 28 de Maio

         Na última Ceia, Jesus realiza a união de seus seguidores com Ele, o Filho de Deus encarnado. Precisamente assim, para perpetuar sua presença entre aqueles que o amam, Ele toma o pão e o vinho e diz: “Isto é o meu Corpo, este é o cálice do meu Sangue. Fazei isto em memória de mim”. Antes, num gesto que surpreendeu a todos, cingiu-se de uma toalha e lavou os pés dos Apóstolos, recomendando que também eles lavassem os pés uns dos outros. Inicia-se o mistério de sua entrega total ao Pai para a redenção da humanidade. O reino do amor é instaurado e a escravidão do pecado e da morte é dissolvida. Na cruz, de suas chagas brota nova vida para toda a humanidade; e de seus braços abertos e transpassados refulge a luz do perdão e do verdadeiro amor, que ilumina a todos, sem restrição. Colocando nos lábios de Jesus o salmo 117, 24: “Este é o dia que o Senhor fez para nós”, S. Gregório de Nissa exclama: “Dia muito diferente dos que foram estabelecidos desde o início da criação do mundo e medidos pelo decurso do tempo; este dia é o início de uma nova criação”. 
Na oração sacerdotal da Ceia pascal, após entregar-se à vontade de amor do Pai, Ele roga pela unidade de todos. Na sexta-feira santa, rodeado apenas pelos soldados e dois ladrões, cumprem-se as palavras proféticas: “Como Filho e herdeiro do Pai, eu liberto os homens da escravidão, eu transformo a lei que condena em graça que justifica” (S. Cirilo de Alexandria). O Filho de Deus bebeu o seu cálice até a última gota. Os céus se turvaram e um último suspiro se eleva de sua alma: “Pai em vossas mãos entrego o meu espírito”. Sobre a cruz, são vencidos os poderes da inimizade e as portas da eternidade são abertas para os que vivem o seu amor.
O silêncio dominava o Calvário. Ao lado da cruz, apenas Maria e alguns discípulos. O sol do novo dia já começava a brilhar para eles. Deles, afasta-se todo tipo de turbulência e divisão e, unidos, eles irão reconhecê-lo no aprisionado, no abandonado e no sofredor. É o dia da nova criação, vitória sobre as forças das trevas e triunfo da Verdade do amor, em que os seus discípulos hão de viver o mandamento: “Amai-vos como eu vos amei”! Por toda parte, ouve-se o anúncio da libertação e da salvação e os seus seguidores são associados à sua própria filiação. Não só são chamados, mas eles serão filhos de Deus, fato atestado pelo amor gratuito e pela doação despretensiosa e generosa, que consolida sua unidade de vida e de ser, conforme a súplica do Mestre: “Que todos sejam um. Como tu, ó Pai, estás em mim e eu em ti, que eles estejam em nós, para que sejam perfeitos na unidade”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro