Reflexão do Evangelho de Jo 15, 9-17: Assim como o Pai me amou, também eu vos amei. - Quarta-feira – 14 de Maio

Reflexão do Evangelho de Jo 15, 9-17: Assim como o Pai me amou, também eu vos amei.
Quarta-feira – 14 de Maio
                  
                  A fonte e o modelo do nosso amor fraterno é Jesus. Ele próprio proclama: “Se praticais o que vos ordeno, vós sois meus amigos”. Compromisso de aliança e de união. À primeira vista, parece-nos que mandamento e amor são estranhos um ao outro. Porém, o amor de Jesus não é mero sentimento, é expressão do seu coração aberto na cruz e expressa sua generosa e gratuita doação de vida, no cumprimento da vontade do Pai. Pasmos, reconhecemos que, em sua doação gratuita e irrevogável, o nosso amor fraterno se transforma em sacramento de Cristo, um “outro Cristo”, no dizer de S. João Crisóstomo.  E, no esplendor da bondade divina, os limites mais altos de nossos desejos são superados, pois somos introduzidos pelo Crucificado na grandeza de sua doação: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”.
Compartimos o fluxo do amor que o Pai e Ele têm para conosco, amor que levou o Pai a enviar ao mundo seu próprio Filho Unigênito. Nele, nós nos abeiramos da plenitude da graça, da vida, da paz e da alegria, existentes em Deus. O amor do Pai e do Filho manifesta-se em nossa vida e, pela ação do Espírito divino, nos penetra e nos arrasta. Assim, a alegria que o Senhor encontra em nós atinge a sua plenitude e “nossa alegria torna-se plena”. Contanto que observemos os seus mandamentos, como ele guarda “os preceitos do Pai e permanece em seu amor”.
Os Santos Padres não cessam de entoar loas ao amor de Cristo. S. João Crisóstomo exclama: “Olha como Jesus cuida dos que o crucificam e o insultam com furor. Eis Jesus falando com o Pai e dizendo: ‘Perdoai-lhes porque não sabem o que fazem’. Mais tarde, ele envia seus discípulos para anunciar-lhes a Boa-Nova do Evangelho. Imitemos essa caridade no seguimento do Senhor”. No pressentimento do amor do Pai, o discípulo sente e ama seu semelhante, que ele experimenta como existência pessoal, única, situada para além dos seus limites. O outro se torna uma “marca” indelével em sua imagem de Deus. Diz o abade Agatão: “Se eu pudesse encontrar um leproso, doar a ele o meu corpo e tomar o seu, eu seria felicíssimo. Eis o verdadeiro amor!”
Ao unir-se ao Senhor, na entrega de sua vida em benefício de toda a humanidade, o discípulo alimenta e revigora seu amor fraterno. S. João Clímaco conta ter visto, “um dia, três monges, humilhados da mesma maneira e no mesmo momento. O primeiro se sentiu cruelmente ofendido, perturbou-se, mas permaneceu em silêncio. O segundo provou alegria pessoal, mas tristeza pelo ofensor. O terceiro pensou unicamente no dano do seu próximo, e chorou cheio de compaixão. Um estava sob o influxo do temor, o outro animado pela esperança da recompensa, o terceiro animado pelo amor”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro