Reflexão do Evangelho de Lc 1,39-56 – Assunção de N. Senhora - Domingo 17 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Lc 1,39-56 – Assunção de N. Senhora
Domingo 17 de Agosto
                     
Nessa passagem do Evangelho, ao iniciar o relato com a expressão “naqueles dias”, S. Lucas designa os acontecimentos primordiais, remetendo seus leitores às origens da fé. Igualmente, destaca a prontidão, disposição constante de Maria, refletida no fato de ela ir imediatamente à casa de Isabel para servi-la. S. Bento comenta: “Maria vai no passo alegre da obediência e na agilidade do temor de Deus”. A mesma ideia é frisada por S. Ambrósio ao dizer: “Maria é movida pela alegria de servir, levada pela piedade em cumprir seu dever de parente e pela pressa do júbilo. Repleta de Deus, como não alcançaria vivamente os cumes da caridade? O dom do Espírito Santo ignora toda demora!”
       Maria parte com a prontidão da caridade. Ao chegar à casa de sua prima, abrem-se os olhos interiores de Isabel e ela vislumbra uma luz que ninguém poderá obscurecer. Em seu seio estremece a criança, seu filho João é santificado, e ela “ficou cheia do Espírito Santo”. Diante de tal cena, Orígenes proclama: “A voz da saudação de Maria, que chega aos ouvidos de Isabel, plenifica João com o Espírito Santo, e sua mãe torna-se como que a boca do seu filho, profetizando: ‘Tu és bendita entre as mulheres, e o fruto de teu ventre é bendito’”.
Maria é portadora de Jesus, mas também do Espírito Santo, tanto na Visitação, quanto em Pentecostes, de tal modo que a missão de Maria encontra sua fonte e realização no misterioso poder do Espírito Santo. À luz do relato da Visitação, S. Ambrósio nota “uma regra de vida, em que o superior vem ao inferior para ajudá-lo: Maria vem a Isabel, Cristo a João. Assim, mais tarde, o Senhor virá no batismo de João para santificá-lo”. O protagonista da história da ação divina é o Espírito Santo, que, comunicado por Jesus, coloca a humanidade em contato com o “fogo” purificador e santificador.
       Maria “encontrou graça diante de Deus” e sobre ela virá o Espírito Santo, “por isso o Santo que nascer de ti, diz o anjo, será chamado Filho de Deus”.   A vocação de Maria não se esgota na chamada de Deus, nem em sua resposta, orienta-se para a missão que ela terá como Mãe do Filho de Deus e, nele, de todos os homens. Delineia-se assim a história da vocação dos Apóstolos e a de cada um de nós: chamada, resposta, missão. Ao reconhecer o primado de Deus e da graça, Maria é modelo para todos. Voltada para Deus, ela se coloca no cumprimento de sua vontade e no serviço aos seus semelhantes. Não há como vacilar. Realiza-se em Maria a esperança que palpita em nossos corações. “Após ter terminado o curso de sua vida, ela foi elevada, em corpo e alma, à glória celeste”. É a Assunção de Maria, que nos precede na glória do seu Filho Jesus.  


Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro