Reflexão do Evangelho de Mt 18, 1-5.10.12-14 - Quem é o maior? - Terça-feira 12 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 18, 1-5.10.12-14 - Quem é o maior?
Terça-feira 12 de Agosto
      
       No surgimento da Igreja, o Apóstolo S. Pedro recebe do Senhor diversos sinais de preeminência, o que poderia despertar, entre os Apóstolos, certa rivalidade. Não esqueçamos, observa S. Jerônimo, que os demais “Apóstolos tinham visto que Pedro e o Senhor pagaram o mesmo tributo” devido ao Templo. Tiago e João foram escolhidos com Pedro para serem testemunhas da Transfiguração. Eles já o tinham sido da ressurreição da filha de Jairo. Vem, então, muito a propósito a curiosidade dos discípulos, “que se aproximaram de Jesus e lhe perguntaram: Quem é o maior no Reino dos Céus?”
Em todos os tempos, o desejo de grandeza e de glória encontra guarida em muitas mentes. Mas nada escapa ao olhar atento de Jesus. Por isso, querendo formá-los, Ele adverte que para partilhar da sua glória é necessário passar pela cruz. De imediato, eles não o entendem, pois era forte entre eles a concepção da vinda gloriosa do Messias. Jesus não desiste. Em sua paciência, escreve S. Jerônimo, Ele “quer purificar, por meio da humildade, o desejo de glória manifestado por eles”. Ele se assenta, como no sermão da Montanha, e profere um solene apelo, pois não se trata simplesmente de uma situação hierárquica. O essencial não é o lugar que eles ocuparão junto a Ele, mas é possuir a condição necessária para entrar no Reino de Deus. E esta consiste, acentua S. Gregório de Nissa, “no serviço, compreendido como atitude de quem segue o Mestre e abraça como sentido de sua vida o amor a Deus e ao próximo”.
             Porém, para viver o amor, expresso no serviço, há uma exigência, a de conversão, mudança no modo de pensar e de ser. Daí o fato de Jesus dizer: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último e aquele que serve a todos”. E exemplifica suas palavras, tomando uma criança e colocando-a no meio deles. “Neste gesto, diz Orígenes, Ele simboliza a humildade, obra do Espírito Santo” na vida de quem o segue. A figura das crianças é comentada por S. Hilário que observa: “Por crianças, o Senhor significa todos os que nele creem pela fé, após tê-lo escutado. Pois serão ilário.. como as crianças, que seguem seu pai, que amam sua mãe e têm por verdadeiro o que lhes é dito”. Estes farão parte do Reino de Deus e neles brilhará a humildade do Senhor.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro