Reflexão do Evangelho de Mt 19, 3-12- Perguntas sobre o divórcio - Sexta-feira 15 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 19, 3-12- Perguntas sobre o divórcio
Sexta-feira 15 de Agosto
      
       Acalorada era a discussão entre os rabinos sobre o motivo que legitimava o repúdio da própria mulher. A questão girava ao redor das determinações do Deuteronômio, cujas expressões eram pouco precisas. Para testar Jesus, os fariseus lhe perguntam: “É lícito repudiar a própria mulher por qualquer motivo que seja?” Os mais rígidos, escola de Shammai, interpretavam o texto bíblico em seu sentido estrito: só em caso de uma conduta deveras desonrante. Ou em sentido mais amplo, escola de Hillel, segundo a qual se podia repudiar a mulher por não importa qual motivo. A pergunta é capciosa e visa colocar Jesus à prova, no desejo de arrastá-lo para uma contenda.
       Ciente do que se passa no coração de seus ouvintes, o Senhor situa a questão no quadro dos desígnios do Pai. Sem negar a Lei, é necessário superá-la não se deixando limitar por ela ou pela ideia de que Moisés aprovava o divórcio. Com sabedoria, Jesus põe em evidência o gesto inicial da criação do universo: o amor de Deus, que não reduz o matrimônio a ser apenas um meio para gerar filhos. Por amor, “no princípio Deus os fez homem e mulher”, e quando se tornam “uma só carne” o dom da unidade se perpetua. O Senhor não se reporta ao princípio temporal, mas sim ao princípio absoluto e eterno de nossa eleição em Deus, que nos chama a ser imagem da própria Trindade, perfeita unidade no amor.
       Através dos tempos e das civilizações, não menos presente que a natureza humana saída das mãos de Deus, permanece em nós a marca indelével do seu amor. Nada poderá destruí-la, nem mesmo o pecado, embora ele nos torne dessemelhantes a Deus, pois, “sendo amor, escreve S. Gregório de Nissa, Deus colocou, desde a criação, esta marca em nosso coração”, pela qual vivemos a comunhão com Ele e com os nossos irmãos.
Como Moisés outrora, compreendendo a realidade humana, Jesus não deixa de ressaltar o elevado ideal do matrimônio, sinal sagrado do amor divino, e responde-lhes: “O que Deus uniu o homem não separe”. Aliás, desde o início da era cristã, os cristãos bem compreenderam que o matrimônio, instituição natural, foi enobrecido e elevado por Jesus à dignidade de sacramento, razão pela qual eles o realizam na Igreja, diante do seu ministro: “in facie ecclesiae”. Em sua carta a S. Policarpo, S. Inácio de Antioquia declara: “Convém que os homens e as mulheres que se casam, contratem sua união com o parecer do Bispo, a fim de que seu matrimônio se realize diante do Senhor”. Certamente, estão presentes a S. Inácio as palavras do Apóstolo S. Paulo, referindo-se ao matrimônio como imagem da união mística de Cristo com a Igreja, sua esposa (Ef.5).  


                             Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro