Reflexão do Evangelho - Domingo 24 de Maio

Reflexão do Evangelho
Jo 7,37-39 - Promessa da água viva
Domingo 24 de Maio

        Uma vez mais, Jesus sobe a Jerusalém, sempre acompanhado por uma multidão de pessoas, pois sua fama já se espalhara por toda a parte. Sua pessoa perturbava os judeus e os gregos pelo fato de Ele perdoar os pecadores, como só Deus é capaz de perdoar, provocando as mais diversas reações. Eles se sentem confusos, ao ouvi-lo dizer que “o filho do homem não veio à terra para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em ‘resgate’ de muitos”. Assim como outrora Deus salvou o seu povo, agora o Senhor resgata os seus seguidores, conduzindo-os para o “novo céu e a nova terra”. Jesus não está à procura de servos, mas sim de irmãos que o sigam com um amor desinteressado e dadivoso.
       Durante a festa das Tendas, o Templo ficava todo iluminado por grandes lâmpadas, acendidas pelos levitas para os festejos. É o momento alto da festa: a solene procissão de água e de luz. De pé, em alta voz, Jesus proclama: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, de seu seio jorrarão rios de água viva”. Seus ouvintes recordam os dons concedidos a Moisés, quando no deserto deu de beber ao povo sedento. Aliás, o rito da festa consistia em retirar a água da piscina de Siloé e trazê-la para o Templo, elevando orações e súplicas pelas chuvas de outono, enquanto versavam a água ao redor do altar.   

Jesus se refere à água viva, ou seja, à água da vida eterna, profetizada por Zacarias, que descreve a vinda do Messias como águas vivificantes saindo de Jerusalém: “Naquele dia, águas vivas sairão de Jerusalém”. Jesus é o novo Moisés, que proporciona vida “em abundância”, pois dele correrão rios de água viva, que são os dons messiânicos, comunicados por Ele na doação de sua vida e na manifestação do seu amor, para todos os tempos. O modo de beber desta água é crer nele, pois “quem crê em mim, diz o Senhor, de seu seio jorrarão rios de água viva”. “Ele falava do Espírito que deviam receber os que nele cressem”, sinal da era messiânica, que seria reconhecida pela superabundância da comunicação do Espírito, segundo a profecia de Joel, citada por S. Pedro ao explicar o Dom de Pentecostes.    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro