Reflexão do Evangelho - Quarta-feira 06 de Maio

Reflexão do Evangelho
Jo 15, 1-8 - A verdadeira vide
Quarta-feira 06 de Maio
      
       Atentos e surpresos, os Apóstolos ouvem Jesus que, sem traços de legalismo, lhes fala de uma fé que exclui todo temor. Como era costume seu, Ele extrai da vida, do dia a dia, exemplos que chegam ao coração dos ouvintes. Assim, sem recorrer a ideias abstratas, Ele utiliza a alegoria da videira, que para os judeus simbolizava a comunidade de Israel e sugeria, muitas vezes, a ideia de paz e felicidade. Porém, para espanto dos discípulos, Ele não se refere à vinha, mas a uma vide, ou seja, a um simples pé de uva. Ele o faz para exprimir a união existente entre o tronco e os ramos, ou seja, entre Ele e os discípulos. Aliás, quem não se admira ao ouvir essas suas palavras, que expressam a ideia de circulação da vida divina, que proveniente dele se transfunde a todos os que acolhem seus ensinamentos e aderem à sua pessoa! 
       Ao Pai cabe o cultivo da vinha. Se um ramo não produz frutos, é cortado e lançado fora, mas aquele que produz fruto é podado para produzir ainda mais. A poda, no entanto, já se deu. Coincide com a nossa decisão, pois quem o acolhe, diz Ele, “permanece em mim, e eu nele”. Eis a união mística, união de amor do Cristo com os discípulos, que, incluídos nele, são introduzidos no espaço divino da comunhão com o Pai. Realiza-se assim o sonho do povo judeu: o estabelecimento da morada (shekiná) de Deus, santuário do seu amor, no meio do seu povo. Descrição reforçada pelas expressões de reciprocidade: “vós em mim” e “eu em vós”.

       No entanto, naquele tempo, como hoje, muitos não creem verdadeiramente em Jesus e negam essas suas palavras. Mas Jesus não volta atrás. Com insistência, Ele reitera: “Crede em Deus... crede também em mim”. Ora, os que lhe são fiéis permanecem em comunhão com Ele e, incluídos em sua vida, amam-no com o mesmo amor com que Ele os ama, o que leva S. Agostinho a exclamar: “Ele jamais poderia ser a videira, caso não fosse homem. Mas Ele não poderia comunicar sua força aos ramos caso não fosse também Deus”. Também nós, permanecendo nele, somos efetivamente seus discípulos e já não podemos viver sem, no seu amor, amar o mundo circunstante humano, num amor comprometido, amor de aliança.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro