Reflexão do Evangelho - Sábado 02 de Maio

Reflexão do Evangelho
Jo 14,7-14 - Eu sou o caminho, a verdade e a vida.
Sábado 02 de Maio

Jesus é o caminho para o Pai. Caminho prefigurado pelo povo de Israel, que atravessou o deserto conduzido por Moisés para chegar à Terra Prometida. No tempo presente, com “nossos olhos agora iluminados pelo colírio da fé”, como escreveu Santo Agostinho, somos conduzidos não por Moisés, mas pelo Divino Mediador, pois diz Jesus: “Ninguém vem ao Pai a não ser por mim”.
Na pessoa de Jesus, Deus veio ao mundo para buscar “a ovelha desgarrada” e, quando o Filho se eleva ao Céu, “apresenta ao Pai a humanidade reencontrada” (Santo Irineu). Eis o objetivo da vinda de Jesus: reconciliar-nos com Deus, para que nele encontremos a imortalidade e possamos atingir nossa plena realização. Graças ao sangue precioso de Cristo, tornamo-nos criaturas renovadas, livres de todo pecado, pois, realizada em Jesus, a obra redentora acontece em nossa vida.
       Jesus é o Mestre que, com sua palavra e exemplo, mostrou à humanidade o caminho que leva ao Pai. É necessário percorrê-lo para se chegar à meta primordial. Assim, durante a vida terrena, vendo Jesus com os olhos da fé, já contemplamos o Pai em seu amor infinito por nós.
No Senhor repousa a nossa esperança de salvação eterna, pois, sendo Deus, tornou-se um de nós para que o homem não permanecesse distante dele. Em Jesus, Deus tornou-se íntimo dos homens. O abismo da distância entre nós e Deus é transposto pela Cruz. Ao seu tempo, dizia Santo Agostinho: “Por Jesus Cristo vós chegais a Jesus Cristo. Por Jesus Cristo homem, vós chegais a Jesus Cristo Deus: pelo Verbo feito carne, vós chegais ao Verbo que no começo era Deus”. Diz hoje o Papa Francisco: “Quando caminhamos sem a Cruz, edificamos sem a Cruz ou confessamos um Cristo sem Cruz, não somos discípulos do Senhor - somos mundanos, somos bispos, padres, cardeais, papas, mas não discípulos do Senhor”.
Jesus é o caminho e a verdade para se chegar à vida de comunhão com o Pai. Se acolhermos Jesus e vivermos a sua mensagem, seremos conduzidos por Ele, chegaremos ao Pai e, maravilhados, reconheceremos que Jesus é a face humana de Deus.

       A verdade, revelada por Cristo, é vida na comunhão com o Pai e é comunhão de vida com os irmãos. Pois a prática das virtudes, por meio da palavra, do ser ou do querer, cria um dinamismo interior que nos possibilita viver em comunhão com o Pai e dar acolhida ilimitada ao próximo. Desse modo, participamos sempre mais da vida divina e, juntos com Santo Irineu, podemos dizer: “A glória de Deus é a vida do homem, e a vida do homem é a visão de Deus”. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro