Reflexão do Evangelho de Sexta-feira 28 de agosto

Reflexão do Evangelho de Sexta-feira 28 de agosto
Mt 25, 1-13 - Parábola das dez virgens
       
        O simbolismo apocalíptico corre como um fio de luz ao longo das mensagens de Jesus, cuja intenção é anunciar o Reino de Deus, que tanto pode ser momento de julgamento como de salvação. No entanto, sua Palavra é sempre expressão de seu amor misericordioso e é sinal de um ato divino, que visa indicar ao ser humano um futuro, vivido como novo caminho em cada novo instante da vida. Assim para compreender a parábola das dez virgens, algumas prudentes e outras não, é preciso situá-la na ordem da confissão ou da experiência de fé, e não estabelecer uma correlação entre o relato e o curso real dos acontecimentos.
          Ela anuncia o grande e solene encontro da humanidade com Cristo, descrito como uma festa de núpcias ou um banquete. Ninguém é excluído. Todos são convidados a participar dele, com a condição de trazer uma lâmpada, símbolo da vigilância ou, no dizer de S. Agostinho, “sinal das boas obras realizadas com coração puro”. Na esfera da vida espiritual, trazer a lâmpada acesa significa conservar a “sobriedade” (nepsis) e “o coração atento” às realidades espirituais, prova de ter atingido o estado de integridade e de terem sido alijados do seu coração o pecado e a dispersão interior, causas de desordem e confusão espiritual.

          S. Gregório de Nissa considera que as virgens tolas “não tinham em suas almas a luz que é o fruto da virtude, nem no pensamento a lâmpada do Espírito. São chamadas de insensatas, porque a virtude é alcançada e vivida antes da chegada do Esposo”. As que possuem candeias iluminadas revelam estar preparadas espiritualmente para participar do banquete à mesa do Senhor, ao qual todos estão convidados. É a celebração do “retorno de Cristo”, dia de julgamento e de purificação, em que todo segredo é manifestado e cada um reconhecerá o seu nome, a sua identidade em Deus, segundo quem realmente ele é. Do ponto de vista temporal, a parábola inclui um elemento de indeterminação, pois não se coloca o tempo de sua realização; e quanto à natureza dos participantes, permanece a incerteza das liberdades envolvidas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro