Reflexão do Evangelho - Terça-feira, 17 de janeiro



Reflexão do Evangelho
Terça-feira, 17 de janeiro
Mc 2,23-28 - A colheita das espigas


O Sábado encerra o ritmo sacro da semana com um dia de encontro cultual e de repouso para todos, escravos e livres. Particularmente, é um dia reservado à oração e à meditação, alimentos necessários à alma; também, é ocasião para celebrar a bondade de Deus e a grandeza de sua obra criadora. Mas havia os que o interpretavam de modo muito estrito, e exigiam a sua observância com todo rigor. São os escribas e fariseus, que ficaram escandalizados quando viram os discípulos de Jesus, movidos pela fome, colherem umas espigas de milho para comer, o que não era, aliás, estranho aos costumes da época, mas não em dia de sábado.  
O comportamento dos discípulos não foi considerado por eles como consequência de uma necessidade premente, fato que justificaria a ação deles; aproveitaram, maldosamente, a ocasião para responsabilizar o Mestre por dispensá-los das obrigações legais, aceitas por todos. Em resposta, Jesus os envia a Davi, que, num dia em que teve fome, ele e seus companheiros entraram na casa de Deus e comeram os pães da proposição, direito que cabia unicamente aos sacerdotes. Após lembrar que se tratava, agora, do Filho do Homem, Ele censura o rigorismo exagerado dos fariseus e lembra que o sábado não é para ser visto como uma lei arbitrária e tirânica, mas como um dia da semana que proclama e recorda a todos a disposição benevolente de Deus para proteger o homem em sua vida e em seu trabalho.
Jesus não incita a trabalhar no sábado; quer apenas fazê-los compreender que o sábado jamais exclui as obras de caridade e os atos de misericórdia para com o próximo. Sua crítica não é contra a Lei, mas contra as obrigações formais e as prescrições jurídicas, que perderam seu sentido religioso e se tornaram pesados fardos colocados sobre os ombros do povo. Por isso, como profeta que busca o bem da humanidade, Ele se volta para os fariseus, que hostilizam os discípulos, e afirma: “No dia de sábado é permitido fazer o bem”. Pouco antes, Ele já havia dito: “O sábado foi feito para o homem, não o homem para o sábado”, com o intuito de suscitar a ideia de que todos os que têm a Lei de Deus no coração agem com misericórdia, inclusive no sábado. Palavras claras e insistentes, que não encontram, porém, ressonância junto aos escribas e fariseus, que permanecem irredutíveis.
Logo em seguida, sem se perturbar, Jesus entra na sinagoga, centro de influência dos fariseus, e cura a mão atrofiada de um homem, lançando um desafio: “Será permitido no sábado fazer o bem ou fazer o mal? Salvar ou tirar uma vida? ”. Novamente, destaca S. Cirilo de Alexandria, “eles são convidados a praticar as obras de misericórdia que Deus espera de todos nós”. Agora importa, sem desprezar o antigo, construir um novo edifício, ao qual presidem a caridade, a fé e a atitude espiritual interior, manifestadas no “fazer o bem”; trata-se de derrubar o muro erguido por eles, em redor da Lei, que os impede de “ajudar um homem infeliz”, obra sabática por excelência.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro