Reflexão do Evangelho de Domingo 06 de setembro

Reflexão do Evangelho de Domingo 06 de setembro
Mt 7, 31-37 - Cura do surdo-mudo

        A filantropia ou, em latim, a humanitas, que significa amor compassivo e misericordioso, sintetiza, nas palavras do Apóstolo S. Paulo, a missão de Jesus. Diz ele: “Quando a bondade e o amor de Deus, nosso Salvador, se manifestaram, ele salvou-nos, não por causa dos atos justos que houvéssemos praticado, mas porque, por sua misericórdia, formos lavados pelo poder regenerador e renovador do Espírito Santo” (Tt 3,4s). Deus que “nem o céu nem a terra podem conter”, manifesta-se próximo de nós, enriquecendo e iluminando nossa humanidade. Também em nossas culpas e trevas, resplandece sempre um raio da luz do Senhor, o Messias salvador, que se tornou um de nós, pondo-se a nosso serviço, a fim de que sejamos seu povo e, por conseguinte, Ele seja o nosso Deus.
Segundo sua misericórdia, Jesus veio ao encontro do homem decaído e ferido não para destruir, mas para salvar, e transmitir-lhe o segredo da verdadeira e interminável vida. E um dos sinais de que Deus estabeleceu seu santuário no meio de nós são os milagres. Assim, a pedido de uma mãe aflita e angustiada, mesmo sem contato direto, Jesus cura a filha enferma. Sua bondade derramava luz sobre tudo o que o circundava, impregnando até mesmo suas vestes, como no caso da cura da mulher hemorroíssa. Desde então, sua presença iluminou o caminho trilhado pela humanidade, dando início a um novo tempo, a uma nova esperança, e ensinando o homem a viver em comunhão de amor e na liberdade dos filhos de Deus.  

Agora, em território pagão, na Decápole, apresentam-lhe um surdo-mudo para ser curado. O fato de Ele estar em terras estrangeiras prenuncia a bondade do seu coração, pondo pontes sobre as diferenças de mentalidade e as dessemelhanças de povos e nações, que, no dizer de S. Gregório Magno, “iriam escutar e falar da vinda do próprio Deus em pessoa”. Eis que abrasado de amor por todos, Ele toca os ouvidos e a língua daquele homem estrangeiro e diz-lhe: “Éffatha”, “abre-te! ”. Estas palavras, prolongando-se pela voz dos que lá estavam, indicam a cura da surdez física, mas também a abertura do coração à fé, na escuta e no discernimento de quem crê no que não se vê. Iluminado, o surdo-mudo chega à intimidade crescente de uma vida em Deus, e, de modo surpreendente, começa a falar “corretamente”, articulando bem as palavras. A obscuridade é suplantada pela luz da Palavra de Deus e, ainda um tanto ofuscado pela luz do sol, ele  proclama ser Jesus a presença salvadora daquele que confere ao povo sua verdadeira identidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro