Reflexão do Evangelho de Quarta-feira 30 de setembro



Reflexão do Evangelho de Quarta-feira 30 de setembro
Lc 9,57-62 - Exigências da vocação apostólica
       
Fascinados, muitos ouviam Jesus falar do triunfo de Deus sobre o reino das trevas, do pecado e do mal. Inclusive, os fariseus e os escribas, que com grande respeito o chamavam de Rabi, Mestre. Criou-se assim ao seu redor um clima de alegria e de amor. Impressionava-os seu modo compassivo e misericordioso para com os fracos e pecadores, e o rigor exigido dos discípulos e seguidores. A estes, Ele lançava um forte apelo para livrá-los do comodismo e levá-los a acolher o poder misericordioso de Deus. Mas com os hipócritas e vendilhões do Templo, Ele era duro e, por vezes, até irônico. Assim, ao vê-los, Ele exclama: “Coam um mosquito e engolem um camelo”! Porém, a simplicidade e a serenidade não o abandonavam o que permite Goethe dizer: “Todos os quatro Evangelhos transmitem um reflexo daquela grandeza espiritual, cuja fonte foi a própria pessoa do Cristo, ápice espiritual mais divino do que qualquer outra coisa no mundo”.
 Certa feita, um dos discípulos, que lhe pede para primeiro enterrar seu pai, é surpreendido com as palavras: “segue-me e deixa que os mortos enterrem os seus mortos”. Seu intuito é transmitir aos ouvintes o conteúdo principal da sua mensagem, que pressupõe não desprezo aos parentes, mas ter, em meio às adversidades, os olhos voltados para o alto. Observa S. João Crisóstomo: “Cristo faz tal proibição não para que rejeitemos a honra devida a quem nos gerou, mas para indicar que não há nada mais importante para nós do que as realidades do céu. Por elas devemos nos interessar, com todo o fervor e empenho, sem afastar-nos delas um só instante, ainda que sejam graves e urgentes os motivos que nos levam a estar distantes de Jesus”.
Por conseguinte, a proposta de Jesus é que os discípulos participem de sua vida simples, pobre e humilde, e tenham a convicção de que seus ensinamentos não são puros conceitos e ideias, mas expressam e consolidam o encontro deles com o Pai. Sim, com efeito, Jesus lhes indica um verdadeiro programa de vida, que evidencia a necessidade de trilhar o caminho da renúncia, sem a qual jamais se poderá alcançar a libertação das paixões desregradas e o afastamento de todo o mal. Calam-se, no interior do coração deles, as vozes do vício e de todo mau desejo, e eles ouvem, no silêncio do amor, a voz do Mestre, guiando-os à união com o Pai celestial.  Orígenes coloca nos lábios de Jesus a recomendação: “Mortificai o que em vós atrai para a terra, lançai de vós toda ligação com a corrupção da carne, todo mal”. Livre e sereno, o discípulo contempla a divina beleza e percebe que a misericórdia, presente em Jesus, é a única força capaz de vencer o pecado e os ídolos do mal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro