Reflexão do Evangelho de Sábado 12 de setembro

Reflexão do Evangelho de Sábado 12 de setembro
Lc 6, 43-49 - Árvore julgada pelos frutos
       
        Os fariseus e escribas, desprezando Jesus e seus discípulos, na maior parte, provenientes da Galileia, acusavam-no de impostor e esforçavam-se para convencer o povo de que era de comum acordo com o “príncipe” dos demônios, Beelzebu, que Ele os expulsava. Sem se intimidar, Jesus os acusa de não saberem distinguir o falso do verdadeiro profeta e os adverte do perigo da hipocrisia em que o exterior, embora em conformidade com a Lei, não corresponde às intenções interiores. Nesse sentido, comenta Cirilo de Alexandria: “Quem vem a nós não deve ser honrado e exaltado pelas vestes que traz, mas pelo que realmente é”. Jesus não deseja condená-los, mas levá-los a uma transformação interior, para que neles exista coerência entre suas palavras e seus pensamentos, entre o que fazem e o que está presente no interior de seus corações.
Na visão bíblica, o homem é sempre considerado em sua unidade, corpo-alma, unidade plural assumida por Jesus em sua encarnação. É este homem todo, corpo e alma, que se torna semelhante a Cristo e, em sua pessoa, será transfigurado, segundo a realidade manifestada por Jesus no monte Tabor. O homem não é constituído pela soma de duas realidades antagônicas, mas pela coesão e coerência de ambas, nos diversos níveis de sua pessoa.  
Assim, o perigo da hipocrisia é evitado caso haja correspondência entre as palavras e as ações, entre o exterior e as motivações interiores, pois “não há árvore boa que dê maus frutos, e nem árvore má que dê frutos bons”. Não há sobreposição do espiritual em relação ao natural, mas, redimido por Cristo, o homem é chamado a viver num diálogo amoroso e gratuito com Deus, de sorte que se pode falar de uma mútua interpenetração, em que o homem se assemelha sempre mais à imagem do qual foi criado, o Filho Jesus. Nesse sentido, os atos que brotam do coração de quem busca Deus são bons, enquanto os maus frutos resultam de um coração maldoso e falso, e produzem uma religião fácil, que elimina a verdadeira penitência e a cruz. Em outras palavras, “se o homem bom tira do seu coração o bem como de um bom tesouro” e produz frutos de justiça, de vida e de amor, “o indigno e maldoso, conclui S. Cirilo, vomita a sua secreta impureza”.

O Mestre conclui enviando os discípulos à prática, alertando-os de não se deixarem levar pelos que não são o que dizem ser ou não fazem o que pregam. A incoerência ou divisão é desconhecida para Deus. Os próprios termos hebraicos, falar, rhêma, e fazer, dâbâr significam essa unidade, confirmada por Jesus, em sua advertência final: “Por que me chamais ‘Senhor! Senhor! ’, mas não fazeis o que eu digo? ”.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro