Reflexão do Evangelho de quarta-feira 21 de outubro



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 21 de outubro
Lc 12, 39-48 - Vigiai, pois o Senhor não tarda a vir.
             

O Senhor nos oferece o mais belo tesouro: a paz, a alegria, nossa realização. Assim é descrito o fim dos tempos, cume de nosso percurso pelo tempo afora, rumo à feliz eternidade de Deus. Mas podemos perdê-lo se não estivermos vigilantes, pois nossa história se realiza em meio a ambiguidades, momentos de vida e de morte. Daí a importância de cada instante da vida, pois não sabemos de antemão nem o dia, nem a hora que o Senhor virá. O próprio Jesus nos alerta: “Ficai preparados, porque o Filho do Homem virá numa hora que não pensais”. Orígenes, grande escritor do século III, aconselha os homens que se mantenham em vigília pela volta do Senhor tanto à tarde, à meia noite, ao canto do galo, quanto de madrugada. Trata-se de uma comparação com as diversas idades do homem, ou seja, devemos nos manter vigilantes na juventude, na meia-idade, na velhice e na mais avançada fase da vida. E conclui ele: “Virá o Senhor ao que não deu sono aos seus olhos, nem descanso às suas pálpebras, e guardou o mandamento daquele que disse 'vigiai em todo tempo'”. Então, realiza-se o desejado futuro do homem: a ressurreição dos mortos, experiência vivida e testemunhada pelos discípulos na ressurreição de Jesus.
A parusia, a volta de Jesus em sua glória, ocorrerá no tempo do Fim. Os que se prepararam, seguindo os seus ensinamentos, participarão da plenitude da sua alegria junto do Pai. Diante do fato de nem mesmos os anjos do céu saberem quando será a volta do Senhor, São João Crisóstomo recomenda que “cada um sempre o espere e sempre se empenhe” no serviço aos pobres e desvalidos.
A Tradição cristã chama o momento após a morte de julgamento pessoal, para distingui-lo do julgamento último, universal, embora também ele não deixe de ser pessoal. A pessoa humana vive em sua situação de criatura livre e responsável, em comunhão com seus semelhantes, cuja alteridade permanece irreduzível. A ressurreição final assume o caráter de plenitude pessoal e comunitária, incluindo o próprio universo. Tudo se transforma em presente e passa a existir na eternidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro