Reflexão do Evangelho de segunda-feira 26 de outubro



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 26 de outubro
Lc 13, 10-17 - Cura da mulher encurvada
                
       Num dia de sábado, Jesus ensinava na sinagoga e lá estava uma mulher toda encurvada, com um ‘espírito de enfermidade’. Ela se aproxima de Jesus, que lhe diz: “Mulher, estás livre de tua doença e lhe impôs as mãos”.  A sinagoga estava repleta. A mulher, tocada no seu íntimo, endireitou-se e glorificava a Deus. O mesmo acontece, comenta S. Agostinho, “com a humanidade toda inteira, que, como aquela mulher, estava recurvada sobre a terra”.
       No entanto, os fariseus não reconhecem, em Jesus, a ação de Deus que liberta os homens do mal e, fechados em seu mundo ritualista e autoritário, não se deixam penetrar pelas suas palavras misericordiosas. Evidencia-se a hipocrisia deles quando, diante do milagre de Jesus, presos às suas observâncias rituais, aborrecidos, alegam ter Ele transgredido a Lei do sábado. E não só. Com laivos de ironia, recordam o ritmo divino da criação em seis dias, para concluir: “Vinde nestes dias para serdes curados, e não no dia de sábado! ”.   
       A oposição de Jesus aos fariseus é nítida. Ele deseja restituir à prescrição do sábado seu verdadeiro sentido, considerando-o não só como intervalo de descanso, mas, sobretudo, como manifestação da bondade, do amor, da misericórdia de Deus. “O sábado, escreve S. Ambrósio, é figura do repouso festivo futuro. Por isso, não há repouso para as obras boas, só para as más”. Como transparece no Evangelho, a vida toda de Jesus é tecida por uma luta em favor da libertação da observância rigorosa do sábado e dos exageros estabelecidos pelas prescrições e normas rituais, que ensombreavam a ajuda ao próximo.
Assim, ao curar a mulher encurvada, Jesus nega a representação de um Deus vingativo e cruel, e proclama que Ele não se cansa jamais de manifestar o seu amor e a sua benevolência. O zelo pela observância do sábado ou do domingo não justifica permanecer cego às exigências da caridade e à evidência da bondade e da misericórdia de Deus. Aliás, já entre os próprios fariseus havia uma reação contra essa interpretação exagerada, pois dizia um dito rabínico: “o sábado foi confiado a vós, não vós ao sábado”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro