Reflexão do Evangelho de segunda-feira 2 de novembro de 2015



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 2 de novembro de 2015
Jo 6,37- 40 - Finados “Saudade sim, tristeza não!”


Entre os primeiros cristãos, havia o costume de rezar pelos mortos e de celebrar, como atestam os sacramentários romanos, a missa de corpo presente por ocasião do falecimento de um deles. Quando isso não era possível, devido às perseguições, celebrava-se mais tarde, dando origem às missas de sétimo e trigésimo dia.
Nesse mesmo período, iniciou-se a prática, presente ainda em nossos dias, de fazer a memória dos mortos e dos vivos nas celebrações eucarísticas. Seus nomes eram então guardados em registros denominados Libri Vitae (Livros da Vida), posteriormente designados necrologias e obituários, passando das menções generalizadas às individuais. Com o passar do tempo, consolidou-se uma preocupação: a lembrança de todos os demais falecidos que, por algum motivo, não constavam nas listas. Para preencher esta lacuna, decidiu-se estabelecer um dia do ano para se rezar na intenção litúrgica de todos os que passaram desta vida. Por volta dos anos 1.024 e 1.033, foi escolhido, como dia consagrado à oração pública e universal por todos os falecidos, o dia 2 de novembro, o tão conhecido Dia de Finados, por ser o dia litúrgico que se segue à festa de Todos os Santos.
Desde o início, o conteúdo principal da celebração não era a morte, mas sim a fé na Ressurreição e, consequentemente, a esperança de se estar um dia perante Deus em sua morada. A celebração do dia de Finados antecipa a vida feliz e eterna em Deus. Agradece-se a Deus a existência dos antepassados e acende-se uma vela, proferindo uma oração, para recordar a luz da fé que nos iluminou, através de nossos pais, avós, parentes e amigos. Luz que não se extinguiu com a passagem deles para a eternidade de Deus, mas que se perpetua em nossos corações. As flores depositadas em suas sepulturas prenunciam o alegre reencontro na ressurreição dos mortos.
       No Dia de Finados, rezamos não aos mortos, mas pelos mortos, pois todos, os vivos e falecidos, participam da comunhão dos Santos, comunhão que jamais se desfaz. Nesse sentido, escreve S. Ambrósio: “Para não ser de novo a morte o fim da natureza humana, foi-lhe dada a ressurreição dos mortos. Assim, refulge em nossos corpos a morte de Cristo, aquela ditosa pela qual se destrói o ser exterior, a fim de ser renovado nosso homem interior e se desfaça nossa habitação terrena, abrindo-se para nós a habitação celeste”. É a ressurreição na morte, encontro pessoal com Deus e com os irmãos; é uma nova existência corporal, que nos permite aguardar, na serena alegria da comunhão com Deus, a ressurreição final. Pois, “desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado, nos céus, um corpo imperecível” (Prefácio da Missa dos mortos).
Na realidade, a palavra morte, do latim mors, mortis, traz em geral, uma sensação de tristeza e de medo. O próprio Jesus, no horto das Oliveiras, sentiu angústia e chegou a suar sangue. No entanto, Ele acolhe a morte e todo o sofrimento que ela comporta, oferecendo-a ao Pai em nosso favor. A oferta de sua vida realiza a nossa salvação e consolida a esperança da humanidade, de modo a enxugar as lágrimas do nosso coração e transformar a tristeza, sentida na hora da morte de um ente querido, em saudade. Por isso, na certeza de que os laços inquebrantáveis do amor eterno e fiel de Deus nos enlaçam e antecipam nosso reencontro no Reino dos Céus, com S. Gregório de Nazianzo, suplicamos: “Desde já, recebe-nos ó Pai, unidos a todos os que partem para aquela feliz e intérmina vida que está em Cristo Jesus”. Saudade sim, tristeza não!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro