Reflexão do Evangelho de quarta-feira 10 de fevereiro - início da Quaresma



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 10 de fevereiro - início da Quaresma
Mt 6, 1-6.16-18 - A esmola em segredo

   (Quaresma, do latim quadragesima, nome dado ao primeiro domingo da Quaresma, por ser o quadragésimo dia antes de Sexta-feira Santa)

Para os judeus, a esmola, a oração e o jejum, frequentemente recomendados nas Escrituras, eram as colunas mestras da vida religiosa e os sinais característicos da pessoa piedosa. Porém, no tempo de Jesus, havia quem os praticasse com o simples intuito de se mostrar justo diante dos homens, sem um correlato interior. Daí o alerta de Jesus: “Guardai-vos de praticar a vossa justiça diante dos homens para serdes vistos por eles”. A questão não é de ser visto, mas de fazer para ser visto pelos outros, fato que afeta a liberdade interior, ou seja, a possibilidade de ouvir Deus, forma de atividade, que se traduz em ações concretas de união, como o amor a Deus e ao próximo. A verdadeira piedade é mais do que parecer ser bom e santo; ela libera o dinamismo interior da natureza humana, conferindo ao homem a percepção de sua liberdade como força que acolhe conscientemente o outro e estabelece com ele uma convivência pacífica e solidária; vale dizer, ele é virtuoso. 
Por outro lado, a vaidade, a vanglória e a avidez tornam a pessoa espiritualmente insensível e a levam a se enclausurar em seu próprio “eu”, esquecendo que Deus existe e ignorando o próximo. Tal atitude não se limita a um determinado grupo, mas está presente em qualquer pessoa. A esse respeito, observa Orígenes: “Como a água está sempre em luta com o fogo e o fogo com a água, por serem opostos um ao outro, assim também o egoísmo e a virtude jamais poderão coexistir na mesma alma”.   
Por conseguinte, pela prática dos atos de piedade, o discípulo expressa positivamente o desejo de não se deixar vencer pelo egoísmo (philautia), mas ser orientado pelo compromisso de viver o amor, a solidariedade e o cuidado da criação, como lugar de diálogo com os homens entre si e com o Criador. Então, na “casa comum”, o mundo, em seu ser social e comunitário, ele realizará seus atos de piedade no segredo do coração, isto é, de modo sincero, espontâneo e modesto, não “de pé” para ser visto por todos, mas na presença do Pai, “que vê o que está escondido”. Dizia um autor anônimo dos primeiros tempos: “Deus reside no segredo do coração e não num lugar secreto; é o próprio Deus que revela o bem realizado nesta vida e, na outra, glorificará quem o fez, pois a glória é de Deus”. Em suma, no silêncio da alma, “no segredo do coração”, encontramo-nos com o Filho unigênito do Pai eterno, no qual vivemos, com quem rezamos, jejuamos e damos esmola.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro