Reflexão do Evangelho de quarta-feira 02 de março



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 02 de março
Mt 5, 17-19 - Cumprimento da Lei
      
       Jesus acaba de falar das “boas obras” e da obediência ao Pai. Para os fariseus, a frutuosa resposta à vontade do Pai seria o cumprimento da Lei entregue a Moisés no Sinai. Mas eles exacerbavam a submissão à Lei, de tal modo que a liberdade, sem vínculos significativos e espirituais, assumia feições de escravidão. Para o Senhor, ao contrário, o pressuposto é a ação livre, base da responsabilidade pessoal e exclusão do determinismo no agir. Por isso, de modo solene, “em verdade vos digo”, Jesus expõe seu posicionamento em relação à Lei, aos Profetas e, por conseguinte, em relação a todo o Antigo Testamento.
       O Senhor esclarece a questão da Lei e da liberdade. Embora sustente a liberdade, que em sentido estrito engloba o sacrifício da própria vida, Ele evita a suposição de que, vindo em nome do Pai para cumprir uma missão, Ele estaria ab-rogando a Lei. Entrementes, sem deixar de alertar os discípulos sobre o risco de se deixarem levar por uma compreensão rigorosa e casuística da Lei, Ele os acautela também contra o extremo oposto: julgarem-se dispensados dela. Para além da “letra”, ela é confirmada, melhor, transformada e interiorizada em seu conteúdo; a crítica é contra a interpretação e a prática da Lei entre os fariseus. Pode-se, então, afirmar que o conteúdo ou o ensinamento, que tinha sido convertido em normas e prescrições ritualísticas por eles e pelos escribas, é resgatado e escrito pelo Messias, como predizia Jeremias, nos corações dos seus seguidores.
Nele, tanto a Lei como os Profetas atingem sua realização plena, a mais perfeita, como assinala S. Hilário de Poitiers ao dizer: “Ele proclama, de modo claro e vigoroso, que a obra da Lei é superada. Ele não a abole, mas a supera com um aperfeiçoamento progressivo. Nesse sentido, Jesus declara que os Apóstolos só entrarão no Reino dos Céus caso superem a justiça dos fariseus. E, após expor as prescrições da Lei, Ele as supera aperfeiçoando-as, sem aboli-las”. O cerne da Lei é a justiça e o amor de Deus, que, quando não observados, tornam as demais prescrições pura hipocrisia.
No entanto, o véu, que encobre a visão interior dos Apóstolos, só será retirado no monte Tabor, quando eles, maravilhados, contemplarão a glória do Filho de Deus e tornar-se-ão partícipes da luz divina. Então, reconhecerão que a Lei, provinda de Deus, luz para os povos, tem sua realização perfeita na obra e nos ensinamentos de Jesus. Mateus, através do Evangelho escrito por ele, leva-nos a contemplar a paixão e a ressurreição de Jesus como a entrada definitiva do Povo de Deus na Terra prometida. É a plena comunhão ou a verdadeira aliança selada entre Deus e a humanidade. Canta S. Gregório de Nazianzo: “Ontem eu era crucificado com Cristo, hoje sou glorificado com Ele; ontem morri com Ele, hoje estou associado à sua ressurreição; ontem fui sepultado com Ele, hoje com Ele sou despertado do sono da morte”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro