Reflexão do Evangelho de quarta-feira 02 de março



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 02 de março
Mt 5, 17-19 - Cumprimento da Lei
      
       Jesus acaba de falar das “boas obras” e da obediência ao Pai. Para os fariseus, a frutuosa resposta à vontade do Pai seria o cumprimento da Lei entregue a Moisés no Sinai. Mas eles exacerbavam a submissão à Lei, de tal modo que a liberdade, sem vínculos significativos e espirituais, assumia feições de escravidão. Para o Senhor, ao contrário, o pressuposto é a ação livre, base da responsabilidade pessoal e exclusão do determinismo no agir. Por isso, de modo solene, “em verdade vos digo”, Jesus expõe seu posicionamento em relação à Lei, aos Profetas e, por conseguinte, em relação a todo o Antigo Testamento.
       O Senhor esclarece a questão da Lei e da liberdade. Embora sustente a liberdade, que em sentido estrito engloba o sacrifício da própria vida, Ele evita a suposição de que, vindo em nome do Pai para cumprir uma missão, Ele estaria ab-rogando a Lei. Entrementes, sem deixar de alertar os discípulos sobre o risco de se deixarem levar por uma compreensão rigorosa e casuística da Lei, Ele os acautela também contra o extremo oposto: julgarem-se dispensados dela. Para além da “letra”, ela é confirmada, melhor, transformada e interiorizada em seu conteúdo; a crítica é contra a interpretação e a prática da Lei entre os fariseus. Pode-se, então, afirmar que o conteúdo ou o ensinamento, que tinha sido convertido em normas e prescrições ritualísticas por eles e pelos escribas, é resgatado e escrito pelo Messias, como predizia Jeremias, nos corações dos seus seguidores.
Nele, tanto a Lei como os Profetas atingem sua realização plena, a mais perfeita, como assinala S. Hilário de Poitiers ao dizer: “Ele proclama, de modo claro e vigoroso, que a obra da Lei é superada. Ele não a abole, mas a supera com um aperfeiçoamento progressivo. Nesse sentido, Jesus declara que os Apóstolos só entrarão no Reino dos Céus caso superem a justiça dos fariseus. E, após expor as prescrições da Lei, Ele as supera aperfeiçoando-as, sem aboli-las”. O cerne da Lei é a justiça e o amor de Deus, que, quando não observados, tornam as demais prescrições pura hipocrisia.
No entanto, o véu, que encobre a visão interior dos Apóstolos, só será retirado no monte Tabor, quando eles, maravilhados, contemplarão a glória do Filho de Deus e tornar-se-ão partícipes da luz divina. Então, reconhecerão que a Lei, provinda de Deus, luz para os povos, tem sua realização perfeita na obra e nos ensinamentos de Jesus. Mateus, através do Evangelho escrito por ele, leva-nos a contemplar a paixão e a ressurreição de Jesus como a entrada definitiva do Povo de Deus na Terra prometida. É a plena comunhão ou a verdadeira aliança selada entre Deus e a humanidade. Canta S. Gregório de Nazianzo: “Ontem eu era crucificado com Cristo, hoje sou glorificado com Ele; ontem morri com Ele, hoje estou associado à sua ressurreição; ontem fui sepultado com Ele, hoje com Ele sou despertado do sono da morte”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro