Reflexão do Evangelho de sexta-feira 18 de março



Reflexão do Evangelho de sexta-feira 18 de março
Jo 10, 31-42 - Jesus, o Filho de Deus feito homem


       Após invocar o testemunho do Pai, manifestado em suas obras, Jesus se volta para seus adversários e pergunta ironicamente: “Por qual delas quereis apedrejar-me? ” Eles compreendem sua intenção e, com sutileza de espírito, respondem: “Não te lapidamos por causa de uma boa obra, mas por blasfêmia, porque, sendo apenas homem, tu te fazes Deus”. Acusam-no de insultar ao próprio Deus, o que o tornaria merecedor dos maiores castigos, pois, as palavras de Jesus lhes soavam como negação do monoteísmo, do Deus único da Aliança.
Jesus não se retrata. De modo tranquilo, porém firme e claro, Ele declara: “Eu e o Pai somos um (hen) ”. É o auge da afronta. Seus inimigos alçam a voz e o cumulam de acusações. Segundo eles, todos deviam apedrejá-lo, pois bastava a presença de um só blasfemador para macular a comunidade toda inteira. Isso prova que as palavras de Jesus eram entendidas em seu sentido próprio, sobretudo, quando Ele diz ser o Filho de Deus. Desde seus primeiros seguidores, a Igreja professa que Ele é o Messias ou o Cristo, o Ungido de Deus, que se tornou um de nós para que, recebendo-o, fôssemos conduzidos não a um divino anônimo, mas ao rosto transfigurado do Filho amado do Pai.
Exclama S. Irineu: “Como poderia o homem ir a Deus, se Deus não viesse ao homem? Nós não poderíamos ser partícipes da imortalidade sem uma estreita união com o Imortal. Como atingirmos a imortalidade, se ela não se tornasse o que somos e assim fôssemos adotados e nos tornássemos filhos de Deus? ” Vindo a nós, sem deixar de ser plenamente Deus, o Filho assume a condição de escravo, movido, escreve Orígenes, “por compaixão do gênero humano”. E não só. No plano eterno de Deus, desde toda a eternidade, o Filho abraçou a humanidade em seu infinito amor, e se revela “paixão de amor” por nós. Não só Ele, que “carregou as nossas dores”, mas também o Pai, que carrega em suas mãos “a nossa conduta”. No rosto amoroso do Filho, reconhecemos o rosto misericordioso do Pai; no Filho Unigênito, constituídos filhos adotivos do Pai, somos convocados a manifestar, em nossas palavras e atos, o amor misericordioso do Pai.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro